Cofundador do Baidu é investigado por viagem em carro autônomo

Por Redação | 06.07.2017 às 10:17

O cofundador da Baidu, Robin Li, está sendo alvo de uma investigação das autoridades chinesas após aparecer em um vídeo gravado no interior de um carro autônomo. As imagens foram exibidas durante uma conferência para desenvolvedores de software na China, promovida pela própria companhia, para a qual o executivo telefonou ao vivo para exibir a tecnologia ainda em desenvolvimento.

Nas cenas exibidas durante o Baidu Create 2017, Li aparece ao vivo em uma transmissão, diretamente do banco do passageiro do carro. A seu lado, no banco do motorista, está outro executivo da companhia, que não mantém as mãos ao volante enquanto o veículo trafega por uma autoestrada chinesa, com direito a trânsito intenso e até mesmo algumas mudanças de faixa.

Nas cenas, Li afirma que o carro está em piloto automático e que a viagem está sendo bastante tranquila, enquanto outro veículo filma a máquina autônoma por fora. A apresentação foi bastante aplaudida durante a conferência, mas o governo chinês não gostou muito pelo fato de que o uso desse tipo de tecnologia em ruas e estradas públicas da China é terminantemente proibido.

Essa norma, inclusive, tem sido uma pedra no sapato da Baidu, que se vê obrigada a realizar seus testes com a tecnologia em locais fechados ou levar seus trabalhos para outros países. Enquanto negocia, sem sucesso, uma liberação com o governo, ela se vê ficando um bocado para trás em relação a outras concorrentes do ramo, apesar de a demonstração feita por Li mostrar que a companhia já está bem avançada nesse quesito.

A apresentação foi feita pouco antes do anúncio da parceria entre a Baidu e 50 parceiros, dos mais diferentes ramos, no desenvolvimento e promoção das tecnologias de veículos autônomos. De olho no mercado chinês, nomes como Ford e Daimler fazem parte da iniciativa, ao lado de montadoras locais e companhias de tecnologia como a Intel e a NVIDIA, que trabalharão na fabricação de chips, e a TomTom, responsável pelo desenvolvimento de sistemas de GPS.

O objetivo é ambicioso: lançar carros autônomos no mercado até 2019. Entretanto, mais uma vez, a companhia encontra o obstáculo da lei e se mostra confiante de que as normas locais quanto à utilização desse tipo de tecnologia mudarão até lá. Por enquanto, resta à Baidu apenas se defender das alegações do governo, ou então admitir ter usado carros autônomos em ruas públicas, como o vídeo mostra, e acatar às penas recebidas.

A polícia da capital, Pequim, não comentou muito sobre o caso, afirmando apenas que o incidente com Li foi reportado a eles e que as atitudes devidas estariam sendo tomadas. A Baidu também não falou sobre o assunto, provavelmente aguardando a ação das autoridades sobre o assunto.

Fonte: BBC