Análise | Volkswagen Gol automático é um dos carros mais honestos do Brasil

Análise | Volkswagen Gol automático é um dos carros mais honestos do Brasil

Por Felipe Ribeiro | 06 de Setembro de 2020 às 09h30
Felipe Ribeiro/ Canaltech

O Canaltech já está há algum tempo testando automóveis e, em nossas análises, já apareceram carros de todo o tipo. Grandes, pequenos, tecnológicos, potentes, elétricos, híbridos, bonitos, feios e por aí vai . Sempre buscamos mostrar o que cada um desses produtos nos oferece, seus prós, contras, e motivos para ter ou não um desses.

Mas, nem eu mesmo poderia imaginar que, um dia, fosse analisar um modelo que há mais de três décadas é sucesso absoluto de vendas e que, mesmo com rivais renovados, modernos, equipados, tecnológicos e até mais eficientes, ainda é capaz de ser um dos veículos mais honestos no mercado brasileiro. Sim, meus amigos, estamos falando dele: Volkswagen Gol.

Aí você deve estar se pensando: por que o Canaltech teria interesse em testar um VW Gol com tantas opções mais tecnológicas no mercado? A resposta é simples (mas nem tanto. Automóveis, tal qual os smartphones e demais gadgets, se tornaram uma extensão de nosso corpo e nada mais justo que abordemos todas as opções disponíveis no mercado, para todos os gostos e bolsos. Mas, menosprezar o Gol, por maiores que sejam suas limitações, não me parece uma atitude sábia.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Imagem: Felipe Ribeiro/ Canaltech

Com a adição do câmbio automático de seis velocidades nos idos de 2018, o GOL ganhou uma sobrevida e ainda vende razoavelmente em todas as suas versões aqui no Brasil.

Os motivos? Confiram em nossa análise!

Carrinho guerreiro

Algo que percebemos no dia a dia com o VW GOL é como ele é gostoso de guiar e justo em nossas mãos. Nem mesmo a defasada direção hidráulica incomoda, pois o carro, por ser leve (apenas 1055kgs), não nos exige muito em manobras e outros exercícios. E por ser leve e compacto, seu motor 1.6 MSI, o mesmo que equipa as versões intermediárias do Polo, mas com uma recalibragem que lhe rende um pouco mais potência, 120cv e excelentes 16,8 kgf/m de torque quando abastecido no Etanol, dão ao gol uma agilidade absurda, com um 0 a 100km/h em apenas 10,1 segundos.

Imagem: Felipe Ribeiro/ Canaltech

Mas, algo que ainda impressiona nesse veículo é a sensação de robustez e confiabilidade. Por mais que não seja feito sob a moderna plataforma que já abriga carros como Polo, Virtus, Nivus e T-Cross, o Gol, por incrível que pareça, tem um rodar mais firme e confortável que seus irmãos maiores. Em termos de segurança, que é algo que falaremos mais à frente, ele deixa a desejar, mas, se levarmos em conta apenas sua dirigibilidade, o Gol é uma delícia.

Imagem: Felipe Ribeiro/ Canaltech

O consumo, por sua vez, é honesto. Segundo nossas marcações, que foram feitas com etanol, no circuito urbano o Gol marcou 8,5 km/l na cidade e 11 km/l na estrada. E, mesmo sem o downsizing que já aparece no Polo e demais concorrentes, traz uma eficiência elogiável. Para o dia a dia, mesmo com suas imperfeições, o Gol se mostrou um dos mais interessantes.

Conectividade, segurança e conforto

Aqui, talvez, o Gol possa perder sua clientela. Por mais que sua central multimídia seja bem completa e compatível com o Android Auto e o Apple Car Play, seu sistema de som é dos mais comuns que temos no mercado, deixando muito a desejar quando queremos escutar um som um pouco mais alto. A tela, apesar de pequena, é rápida e responsiva, sendo bem posicionada, tal qual já acontece no Polo e no Virtus.

Imagem: Felipe Ribeiro/ Canaltech

Agora, em termos de segurança, o Gol já começa a expor as fragilidades de seu projeto. São apenas dois airbags, não há controles de estabilidade e tração, e o sistema de frenagem é o básico, sem a distribuição eletrônica vista em rivais de igual simplicidade, como o Ford Ka. O cinto de três pontos, sistema ISOFIX e apoio de cabeça para os três ocupantes atrás só apareceram na edição 2021 do carro.

Outra falta grave do Gol é a ausência da câmera de ré para manobras. Por menor que ele seja, hoje é um item quase que obrigatório em carros na faixa de preço do modelo que testamos. Apesar disso, há o sensor de proximidade traseiro.

Já na parte do conforto, temos aqui um dilema e acho que vamos arranjar briga com os fãs do Polo. O gol, apesar de ter menos "chão" do que seu irmão maior, balança muito menos e tem uma suspensão mais adequada para as nossas ruas. Como vocês bem sabem o Polo é um projeto global da Volkswagen e, por mais moderno e completo que ele seja, em certas situações chegamos a passar muita raiva com ele, devido à sua suspensão dura e que não absorve bem as imperfeições de nossas ruas.

Imagem: Felipe Ribeiro/ Canaltech

O espaço, como era de se imaginar, não é dos melhores para quem possui mais de 1,80, como é o meu caso, mas quatro adultos viajam relativamente bem no Gol, sem cansaço ou algo do tipo. NO entanto, seu isolamento acústico é outra coisa que entrega a idade do projeto, sendo bem deficitário, sobretudo na estrada.

Por que ele é honesto e o que poderia ser diferente?

Depois do Fusca, penso que o Gol é o maior sucesso da Volkswagen em solo brasileiro. Mas, estratégias da própria montadora fizeram com que esse carrinho ficasse em segundo plano e deixasse de ser o mais vendido do Brasil já há algum tempo. Nem mesmo a entrada do câmbio automático, que deu uma sobrevida interessante ao carro, foi suficiente para alavancar as vendas do Gol a ponto de fazer com que ele brigasse com o Chevrolet Onix e o Hyundai HB20, outrora "alcançáveis" para o compacto alemão.

Imagem: Felipe Ribeiro/ Canaltech

Apesar disso, considero que o Gol é um dos carros mais honestos do Brasil pelo seguinte: ele cumpre o que promete. O Gol nunca se posicionou como algo que ele não é na prática, como seu irmão Polo, por exemplo, que é chamado pela empresa de "Mini Golf". Aqui temos um veículo bom de dirigir, com manutenção barata, seguro em conta, econômico e com desempenho para lá de satisfatório.

No entanto, caso eu ditasse alguma regra na Volkswagen, teria feito algo bem diferente e que teria, talvez, mudado o destino não apenas do carro, mas da própria montadora. Sei que existem estratégias globais a serem seguidas e nem sempre a filial brasileira pode mudar o rumo das coisas, mas, já imaginaram se a Volkswagen, ao invés de lançar o Polo, fabricasse esse mesmo carro sob o nome e a fama do Gol? Suspeito que venderia muito mais do que o Onix.

Mas, já que isso foi feito, algumas coisas podem ser mudadas para que, em um futuro próximo, o Golzinho possa brigar nas cabeças novamente.

Imagem: Felipe Ribeiro/ Canaltech

Logo de cara, dar mais segurança ao carro. O posicionamento de mercado não precisa mudar, mas equipá-lo com uma plataforma mais segura e aumentar seu pacote de proteção seria peça-chave nesse quebra-cabeças automotivo. Além disso, uma repaginação no interior, algo sempre criticado por usuários e imprensa, se faz urgente.

Apesar do motor 1.6 ser bem interessante, o 1.0 TSI de 105cv que equipa o Up! TSI pode dar ao Gol um desempenho ainda melhor e mais divertido, além de mais eficiente, claro. No aspecto tecnológico, uma atualização geral é bem-vinda, com um conjunto óptico mais moderno e itens como controle de estabilidade e tração sendo ofertados para ontem.

Imagem: Felipe Ribeiro/ Canaltech

O design, apesar de agradar muito e dar um aspecto até fofo, pode ser aperfeiçoado, com linhas mais modernas e retilíneas, como ocorre no Polo. Seria demais viajar e pedir um Gol Coupé, como ocorre no Nivus? Acho que sim.

Honestidade não basta

Vale muito a pena ter um Volkswagen Gol automático se você precisa de conforto e não quer gastar muito dinheiro com outros modelos concorrentes. Embora existam até carros de outras marcas com preços parecidos e mais equipados, a manutenção barata e a robustez que esse compacto oferece — além da clientela fixa e fiel — garantem que ele tenha um número de vendas até que interessante.

Para voltar a ser líder de mercado, o Gol precisa, de fato, chegar ao Século XXI e, por mais honesto que ele seja, uma hora a vida cobra uma mudança e penso que chegou a hora.

O Volkswagen Gol automático avaliado pode ser encontrado em concessionárias de todo o Brasil por R$ 62.600.

O VW Gol utilizado nesta análise foi gentilmente cedido pela Volkswagen do Brasil ao Canaltech.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.