Que elemento falta para uma câmera ter a precisão do olho humano?

Por Felipe Freitas | 20 de Dezembro de 2020 às 10h00
Free-Photos/Pixabay

A tecnologia das câmeras, ao longo dos anos tem evoluído como uma constante, e, justamente essa tecnologia tem realizado capturas impressionantes dentro e fora de nosso planeta. Mas ainda assim, é difícil fotografar fenômenos da natureza como o luar. Será que o essencial é apenas visível aos olhos? 

Por exemplo, você já esteve em uma noite com um luar muito bonito e tentou fazer uma fotografia com seu celular, mas a foto não ficou tão boa quanto a visão do luar pessoalmente? Mesmo essa sendo uma experiência específica, essa diferença de qualidade e precisão, demonstra a distância entre nossos sentidos e a captura fotográfica das câmeras.

Processamento digital dedicado é o futuro

O que falta para câmeras terem uma precisão próxima a do olho humano, é o processamento digital dedicado. Atualmente, existem funções como o "HDR" e "Foco dinâmico" que através do processamento digital aproximam a captura de fotos com uma maior precisão. Mas esse ainda é um campo a ser explorado.

Com o passar do tempo, os estudos dessa tecnologia se aproximou cada vez mais das câmeras de celular. Então, uma das descobertas, era a possibilidade de estimar a profundidade de cada parte da foto através de seu processamento digital, possibilitando o efeito de desfoque artificial similar ao do olho humano.

Esse efeito é uma das tentativas de reproduzir os elementos visuais naturais do olho, sendo assim, ao olhar fixamente para alguma coisa, o fundo fica em desfoque.

Entretanto, câmeras profissionais com lentes grandes, ainda estão distantes de alcançar a precisão do olho humano. Por que isso acontece?

Câmera vs. Olho humano

A tecnologia de captura de imagens, tem como principal objetivo adquirir a precisão de nossos sentidos, tentando aproximar cada vez mais a precisão das câmeras à de nossos olhos. Esses estudos, têm demonstrado o quanto a riqueza desses elementos visuais está presente na forma em que nosso cérebro interpreta a informação que os olhos enxergam.

No entanto, os avanços na tecnologia de câmeras de celular,  são bem mais do que uma questão de hardware. A maior qualidade de câmeras e de sensores, são fatores importantes para capturar uma boa foto, mas outro fator primordial é o avanço da fotografia computacional, ou seja, a responsável pelo processamento dessas imagens.

Além disso, nossos olhos possuem a capacidade de se ajustar de forma dinâmica a interpretação da luz recebida e foco. Sendo assim, o que realmente vemos é a reconstrução de objetos feita pelo nosso cérebro com base na entrada das informações que é fornecida pelos olhos e não a luz real recebida.

Para captar esses efeitos visuais em celulares e smartphones, foram necessários diversos avanços na tecnologia de sensores de imagem e pós-processamento. Ou seja, desenvolver dispositivos com grande capacidade de processamento, além de lentes e sensores cada vez melhores, é o caminho para proporcionar câmeras que captam imagens cada vez mais próximas ao olhar humano.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.