BGS 2019 | Infinity Ward quer que Modern Warfare atraia os casuais e veteranos

Por Rafael Arbulu | 17 de Outubro de 2019 às 12h00
(Imagem: Divulgação/Activision)

Call of Duty: Modern Warfare marca um ponto de reflexão da Activision e do Infinity Ward. Uma das franquias mais reconhecidas de jogos FPS, a série vinha, desde seus últimos três ou quatro lançamentos, recebendo críticas por adicionar elementos de jogabilidade totalmente supérfluos e que nada agregavam à experiência (Correr pelas paredes? Sério?).

Eis que, em maio de 2019, a Activision anuncia o renascimento da subssérie Modern Warfare, para muitos a principal de toda a franquia Call of Duty, trazendo esperanças renovadas aos fãs da série e reacendendo o mercado de jogos de tiro — em especial, a sua concorrência com a série Battlefield, da Electronic Arts. Tivemos a oportunidade de testar uma versão beta do modo multijogador e, veja só, as impressões foram bastante favoráveis. Durante a Brasil Game Show 2019, o Canaltech sentou-se por alguns instantes com Óscar Lopez, desenvolvedor sênior do estúdio Infinity Ward, para trazermos mais detalhes sobre a produção.

“Percebemos, a Activision e o estúdio, que já era a hora de trazermos a franquia de volta”, comenta Lopez ao ser questionado sobre o motivo que levou as empresas a darem o sinal verde para um reboot da série. “Queríamos já definir o que faríamos com o jogo e vimos que, desta vez, estamos com as pessoas certas nos lugares certos: a gestão correta, os desenvolvedores certos, além de uma engine nova e o desejo do público, que nos vem pedindo isso há um tempo. É tudo uma questão do lugar certo, na hora certa”.

Modern Warfare está, segundo impressões e análises feitas por especialistas no mundo todo, tomando uma direção diferente de seus predecessores: enquanto títulos como Modern Warfare 3 ou Advanced Warfare traziam um enredo mais simplista, que servia apenas como pano de fundo para a ação, a nova produção vem buscando aproximar-se de títulos anteriores, como Modern Warfare 2 ou a subsérie Call of Duty: Black Ops. Lopez cita a missão No Russian de Call of Duty: Modern Warfare 2 como um bom termômetro do que a Activision e o estúdio Infinity Ward querem (é aquela missão do aeroporto, com o terrorista internacional russo Makarov).

(Imagem: Divulgação/Activision)

A missão, na época, foi vazada na internet antes do previsto e dividiu opiniões e causou muita polêmica: No Russian (“nada de russo”, em uma tradução contextualizada) implica que o jogador e sua equipe não falariam em russo, a fim de não denunciar suas origens étnicas. O que se segue é o fuzilamento de vários turistas em um aeroporto. Oscar Lopez não refere-se à polêmica em si como um objetivo para o novo jogo, mas mostra que esse tipo de conexão com os personagens é um novo incentivo para os jogadores em Modern Warfare: “Caras como Jacob [Minkoff] e Taylor [Kurosaki] — eles são muito bons em contar histórias”, diz, referindo-se ao diretor de campanha e ao diretor de narrativa e roteiro, respectivamente. “Quando tiramos vantagem disso, temos foco em criar um jogo divertido, mas com uma história grandiosa para ser contada. Eles são os caras certos para esse tipo de trabalho”.

“A série Modern Warfare, desde o primeiro título, sempre tirou base dos eventos atuais do mundo. Para este jogo, então, foi natural para nós buscarmos o que estava acontecendo no planeta, olhar a todas as partes mais quentes do mundo para criarmos uma história que praticamente se narra sozinha. Acho que esse é o tipo de conexão que você procura: gamers são pessoas criativas, influenciadas por tudo o que ocorre à sua volta, seja por um livro ou um filme ou um jogo — e nossos desenvolvedores também agem desta forma”.

(Imagem: Divulgação/Activision)
(Imagem: Divulgação/Activision)

A campanha principal do jogo, infelizmente, não estava disponível durante a BGS 2019 para testarmos e termos a experiência dessa narrativa, entretanto a Activision já confirmou no passado que toda a história de Modern Warfare será entrelaçada em todos os modos de jogo: o “grosso” do enredo será majoritariamente progredido dentro do modo para um jogador, mas reflexões dele também serão sentidas no modo multijogador.

Falando sobre a jogabilidade, Call of Duty: Modern Warfare parece abrir mão de ser feito apenas para o seu público cativo, escolhendo incluir elementos de gameplay que abracem, com o devido equilíbrio, jogadores veteranos e casuais. Essa mesma impressão foi percebida durante o beta que o Canaltech testou em setembro de 2019: mesmo os jogadores menos familiarizados possuem chances reais de desempenho positivo em partidas multijogador.

Perguntamos a Oscar Lopez se isso se traduz na campanha principal para um jogador: “Estou bem contente que vocês tenham falado nisso”, ele respondeu, sorrindo.

“Veja: quando desenvolvemos um jogo, o nosso processo gira em torno desses três ‘pilares’ que usamos como suporte para tomar decisão: queremos fazer coisas grandes que apelem a jogadores sem nenhuma experiência? Ou queremos algo que abrace os fãs de longa data? Nós tentamos, para este jogo, manter o DNA da nossa fórmula original, e isso nos permitiu focar em atrair novos jogadores, tornando a experiência mais fácil para que eles ingressassem. Isso é algo pelo qual realmente nos esforçamos. Você pode ter um cara que prefere jogar somente no modo para único jogador, mas ele não vai achar intimidador entrar em uma outra partida multijogador. A mesma coisa vale para o cara que só joga online, é ávido fã competitivo ou quer ser atleta de eSports”.

Modern Warfare, aliás, é o primeiro de toda a franquia a trazer suporte à função crossplay, que permite que jogadores de diversas plataformas disputem partidas juntos, ao mesmo tempo em que abandona uma prática conhecida da indústria e executada até pela Activision: os passes de temporada. Lopez explicou que o abandono a esta prática permitirá a oferta de novos conteúdos pós-lançamento gratuitos, implementando a experiência de jogo para modos de um ou mais jogadores.

“Nós trabalhamos com bastante empenho com kits de desenvolvimento para Xbox One, PC e PlayStation 4. Só estamos felizes que isso tudo funciona muito bem. Estamos totalmente comprometidos com oferecer nosso suporte ao cenário de eSports como um todo. Esperamos que a comunidade se sinta confortável em ditar os termos que os façam adotar isso no cenário competitivo, e se eles assim decidirem, as ferramentas estarão lá para ela”, finaliza.

Call of Duty: Modern Warfare será lançado em 25 de outubro de 2019, para PlayStation 4, Xbox One e PC (Windows).

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.