WhatsApp desiste de suspender imediatamente quem não aceitar novos termos de uso

WhatsApp desiste de suspender imediatamente quem não aceitar novos termos de uso

Por Igor Almenara | Editado por Douglas Ciriaco | 07 de Maio de 2021 às 12h03
Rubens Eishima/Canaltech

Atualizado: texto atualizado para incluir novas informações disponibilizadas pelo WhatsApp a respeito de o que acontecerá após o dia 15 de maio com quem não aceitar sua nova política de uso. A redação original desta notícia se baseava em um comunicado enviado pelo mensageiro a um site; agora, a publicação conta com mais informações divulgadas no site oficial do app.

A novela acerca das novas políticas de uso e privacidade do WhatsApp tem um novo capítulo. Agora, a empresa informa que usuários da plataforma que não aceitarem o novo contrato não terão sua conta suspensa no início da implementação das medidas em 15 de maio, mas as consequências serão bem graves nas semanas seguintes.

Anteriormente, qualquer usuário que não aceitasse os novos termos do mensageiro teria o app colocado num modo de suspensão assim que as novas políticas entrasse em vigor. Com isso, mensagens poderiam ser recebidas, mas lidas somente através das notificações, o perfil poderia receber e atender chamadas, mas não as efetuá-las, e a única coisa disponível dentro do app a partir do dia 15 seria a tela para concordar com o compartilhamento de dados com o Facebook.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

“Embora a maioria dos usuários que recebeu os novos termos de serviço já tenha concordado com eles, entendemos que alguns ainda não tiveram a chance de fazê-lo. Nenhuma conta será apagada em 15 de maio depois dessa atualização e ninguém perderá as funcionalidades do WhatsApp. Continuaremos enviando lembretes [dos novos termos] para as pessoas nas próximas semanas”, informa o mensageiro ao site The Next Web.

Lembre o caso

Para quem não se lembra, as novas políticas da plataforma visavam preparar o terreno para novidades do WhatsApp Business. Perfis comerciais poderiam otimizar sua comunicação com clientes com mais ferramentas — agora, enriquecidas com informações básicas sobre os usuários. O Facebook alega que, apesar disso, não teria acesso às conversas privadas ou em grupos de quem usa o "Zap", mas isso não deixou de gerar desconforto até em autoridades.

O compartilhamento de dados com o Facebook já acontece em certo nível desde 2016, mas era uma condição opcional. A mudança, agora, impõe o fornecimento de informações, mas garante que a privacidade jamais seria violada e que a criptografia de ponta a ponta não está em jogo.

E quem não aceitar os novos termos?

Após o anúncio, o WhatsApp atualizou a sua página de suporte em inglês com as novas consequências da rejeição dos termos. Basicamente, a suspensão da conta ainda acontecerá, mas não será imediata.

Ao longo das semanas depois do dia 15, os avisos do contrato vão se tornar mais recorrentes e, se você seguir ignorando-o, ele irá sobrepor a lista de conversas. Assim, o usuário só poderia entrar em mensagens a partir de notificações e não mais criar novas conversas ou fazer ligações (voz ou vídeo) — embora ainda possa atendê-las.

Depois de mais algum tempo, o app todo estará bloqueado e o WhatsApp "interromperá o envio de mensagens para o celular". Contatos ainda poderiam efetuar ligações e enviar mensagens, mas elas não seriam nem mesmo recebidas no aparelho. Se essa condição afastar o usuário do mensageiro por mais de 120 dias, a conta será excluída.

Os dados serão mantidos no celular até que o WhatsApp seja desinstalado, como acontece na política referente aos perfis inativos. Se o usuário eventualmente voltar para a plataforma, todo o conteúdo local aparecerá de novo.

Fonte: The Next Web

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.