Microsoft Edge e Firefox travam disputa ferrenha no mercado de navegadores

Microsoft Edge e Firefox travam disputa ferrenha no mercado de navegadores

Por Igor Almenara | Editado por Douglas Ciriaco | 03 de Setembro de 2021 às 11h41
Igor Almenara/Canaltech

O Microsoft Edge e o Mozilla Firefox marcam mais um capítulo na competição pela terceira posição no ranking de navegadores mais usados do mundo. Os rivais, que há meses alternam no pódio, registraram domínio de mercado praticamente igual na contagem do mês de agosto.

Na contagem do site StatCounter, o Microsoft Edge aparece em terceiro lugar com 3,57% do mercado, mas na sua sombra está o Firefox, com 3,55%. A diferença é tão pequena que dá para considerar um empate desta vez.

Fatias de mercado estão tão próximas, que dá para considerar empate entre Edge e Firefox (Captura: Reprodução/StatCounter)

Desde que o Microsoft Edge foi renovado com o motor de código aberto do Google, o Chromium, a disputa entre ele e o Firefox apertou. As novidades colocaram o navegador da MS com nível semelhante ao do Chrome, sempre com recursos de ponta, estabilidade e muita versatilidade, coisa que sua versão anterior não conseguia entregar.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Naturalmente, o Edge se tornou parte nativa do Windows 10 e passou a embarcar todos os computadores no momento da instalação — por atualização ou inicialização de um novo PC. Assim como serviu o Internet Explorer anos atrás, o programa da Microsoft é um canal bem rápido para baixar outros navegadores.

Contudo, a Microsoft quer que o usuário se mantenha com o navegador da casa — e ela não esconde essa vontade. De forma recorrente, usuários que colocarem outro app como padrão darão de cara com apelos da companhia para experimentar o Edge. Além disso, nas prévias do Windows 11, o processo de substituição de navegador está bem mais complicado.

Como está o Chrome nessa história?

Lá no topo, o Chrome descansa sem qualquer preocupação. De julho para agosto, o navegador do Google até encarou uma queda — de 65,12% para 64,94% —, mas nada além das oscilações normais que não chegam perto de ameaçar sua liderança.

Google Chrome não perde espaço no mercado de navegadores há anos (Captura: Reprodução/StatCounter)

Em segundo lugar está novamente o Safari, que continua com um domínio de mercado estável, também passando apenas por pequenas oscilações. Tanto no caso da Apple quanto no do Google, a presença nativa dos navegadores em smartphones, tablets e computadores favorece sua posição — afinal, para quê trocar de app se ele já está bom, não é?

Por enquanto, paira o suspense para qual navegador assumirá a terceira posição. Quais são seus palpites? Acha que o Microsoft Edge continuará na vantagem? Comente abaixo.

Fonte: StatCounter

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.