Facebook e Microsoft se juntam a banco de dados para coibir grupos extremistas

Facebook e Microsoft se juntam a banco de dados para coibir grupos extremistas

Por Alveni Lisboa | Editado por Douglas Ciriaco | 26 de Julho de 2021 às 17h17
Rawpixel/Envato

Empresas gigantes de tecnologia, como Facebook e Microsoft, aderiram a um sistema contraterrorista para combater supremacistas brancos e milicias digitais de extremistas. Segundo a agência Reuters, essas empresas vão alimentar um banco de dados compartilhado para identificar os integrantes desses grupos e o tipo de conteúdo para coibir disseminação de mensagens negativas.

Até então, o banco de dados do Fórum Global da Internet para Contra o Terrorismo (GIFCT) se concentrava em vídeos e imagens de grupos terroristas tradicionais, criado com base em uma lista da Organização das Nações Unidas. Esse sistema reunia principalmente conteúdos de organizações extremistas de inspiração religiosa, como o Estado Islâmico e a Al Qaeda.

(Imagem: mstandret/Elements)

A expectativa, contudo, é de que outros grupos que promovem violência e agressões contra minorias também sejam incluídos no rol do combate ao terrorismo. Para isso, as plataformas sociais devem começar a analisar os links compartilhados por simpatizantes destes movimentos para listá-los no banco.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Twitter e Google também participam da iniciativa e já estão compartilhando hashes, representações numéricas únicas dos conteúdos removidos de seus serviços, inclusive do YouTube. Outras plataformas usam o hash para identificar o mesmo conteúdo e também excluí-los de sites, sistemas e outros locais.

Essa técnica de compartilhar os hashes é mais eficaz porque permite uma identificação mais precisa do conteúdo, o que possibilita uma remoção em massa e muito mais ágil do que se fosse necessário buscar um a um os perfis compartilhadores.

Reddit, Snapchat, Instagram, Verizon, LinkedIn, Airbnb, Mailchimp e Dropbox são outros exemplos de empresas que integram o time das plataformas em combate aos conteúdos nocivos.

Combate ao ciberterrorismo

O GIFCT é uma organização mundial independente, criado em 2017 após os ataques terroristas que deixaram mortos em Paris e Bruxelas. Após pressão dos Estados Unidos e da Europa, o banco de dados passou a armazenar vídeos, fotos e textos relacionados a grupos extremistas inclusos na lista de observação do Conselho de Segurança da ONU.

A meta agora é ampliar o banco de dados para incluir cada vez mais arquivos e trazer novos membros. Com essa rede fortalecida, as plataformas terão um importante aliado para combater os crimes de ódio na web, que podem transpor as barreiras virtuais e passar para o ambiente físico.

Redes sociais são duramente criticadas por terem se omitido no policiamento de conteúdos impróprios, como violência, racismo, misoginia, boatos e teorias conspiratórias. Com o argumento de não censurar conteúdos, essa falta de atitude permitiu a proliferação de grupos extremistas que cresceram enormemente graças ao apoio do algoritmo das plataformas.

O que você achou da iniciativa? É uma boa alternativas das redes sociais ou elas deveriam seguir outro caminho? Deixe sua opinião nos comentários.

Fonte: Reuters, GIFCT  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.