Microsoft explica como o Windows 11 supera o Windows 10 em desempenho

Microsoft explica como o Windows 11 supera o Windows 10 em desempenho

Por Igor Almenara | Editado por Douglas Ciriaco | 09 de Setembro de 2021 às 11h22
Divulgação/Microsoft

No começo, o Windows 11 parecia ser só uma capa renovada sobre seu antecessor, o Windows 10, e até a presença de algumas gambiarras (tipo o Menu Iniciar “clássico” escondido) alimentava essa suspeita. Entretanto, a grande atualização representa bem mais do que só uma interface nova, e a Microsoft espera, por exemplo, que o novo SO lide melhor com hardware mais modesto.

Em um vídeo do canal Microsoft Mechanics, o vice-presidente de gerenciamento empresarial Steve Dispensa comentou sobre as mudanças internas do Win 11 e como elas prometem entregar mais performance tanto em computadores de ponta quanto em máquinas mais econômicas.

O executivo começa a explicação falando sobre como o gerenciamento de processos está mais eficiente — pelo menos no que tange os aplicativos da Microsoft. Dispensa demonstra uma situação em que o processador está em alta demanda, 90% ocupado por um programa, e mesmo assim consegue abrir outros apps (como Excel e Word) com facilidade.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

De acordo com representante da MS, isso acontece porque os programas estão guardados em "segundo plano", prontos para serem inicializados e passar maior sensação de agilidade. Não está claro, porém, até que nível essa otimização é aplicada, se otimiza a atividade do usuário baseada em seus hábitos ou se está limitada aos apps da dona do sistema.

Inicialização quase instantânea

A inicialização a partir da Suspensão também está mais rápida. Segundo o executivo, a ideia é permitir que o uso do computador seja mais próximo de um celular — em vez de desligar e ligar do zero a cada atividade, a suspensão deixaria o computador já no ponto ideal para recomeçar a atividade.

Graças a otimizações no gerenciamento de memória RAM, os componentes do computador respondem com mais agilidade, e seria praticamente instantâneo para boa parte dos usuários, diz Dispensa. A Suspensão mantém a RAM energizada e, nela, são armazenados os programas e as atividades que estavam em andamento no computador. Assim que o usuário retorna, tudo volta direto para a tela (como sempre aconteceu), agora bem mais rapidamente e consumindo menos bateria em notebooks.

Base de desempenho elevada

O Windows 11 tem requisitos mínimos bem elevados em comparação ao seu antecessor e, naturalmente, essa condição eleva o nível de performance significativamente. Se o nível de performance base já é alto, então é pouco provável que a situação fique ruim nos PCs compatíveis — exceto se você instalar o SO em uma máquina sem suporte oficial, o que também acarreta em outros problemas.

Melhorias no sistema de segurança, como o Windows Hello, também foram proporcionadas pela maior demanda em componentes de confiabilidade. A autenticação por reconhecimento facial está mais rápida, garante Dispensa.

Falta pouco para o Windows 11 finalmente sair do forno — seu lançamento está marcado para 5 de outubro deste ano. O sistema operacional atualmente pode ser testado através do programa Windows Insider (cuja inscrição é gratuita).

Fonte: Microsoft

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.