Digitalização do mercado de pets deve manter alta no pós-pandemia

Digitalização do mercado de pets deve manter alta no pós-pandemia

Por Márcio Padrão | Editado por Claudio Yuge | 13 de Outubro de 2021 às 22h00
Reprodução/Chewy/Unsplash

Um levantamento recente da Comissão de Animais de Companhia (Comac), órgão do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (Sindan), diz que 74% dos tutores de pets afirmaram fazer mais compras pela internet durante o período da onda de covid-19. Além disso, 90% dos ouvidos acreditam que o hábito irá continuar mesmo após a pandemia. Participaram da amostragem 750 tutores e 94 veterinários.

O estudo Radar Pet 2021 da Comac — que representa empresas da indústria veterinária — aponta ainda que 72% dos entrevistados passaram mais tempo usando a internet, contra 46% que responderam à pesquisa em 2020. Mesmo com o excesso de vida online, 73% afirmaram que conseguissem aproveitar mais a companhia dos seus bichinhos neste ano. Para 86%, esse tempo com eles deverá se manter mesmo após a normalização das atividades para um estágio pré-pandemia.

Outros insights interessantes da pesquisa foram:

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

  • 66% dos entrevistados buscaram artigos e textos online sobre medicamentos ou bem-estar voltados a animais de estimação;
  • 66% também assistiram a vídeos e lives sobre o tema;
  • 39% começaram a seguir algum influenciador digital ou página focada em pets;
  • Tutores usam como meio de informação o Google (63% cães, 61% gatos), YouTube (55% cães, 58% gatos), Instagram (49% cães, 44% gatos), WhatsApp (41% cães, 38% gatos). Mas a principal fonte ainda é o veterinário (82% cães, 79% gatos).
Imagem: Reprodução/Bonnie Kittle/Unsplash

Pelo menos um terço dos tutores comprou alguma medicação veterinária pela internet na pandemia. Para a maioria, 2020 foi o ano de sua primeira compra do tipo. Entre os que ainda não compraram dessa forma, cerca de metade disse estar disposta a fazer isso no futuro próximo.

“No varejo pet brasileiro, a venda online tinha uma representatividade baixa antes da pandemia. Cerca de 3% a 5% do consumo era realizado por esse canal. Durante os meses críticos de isolamento social, houve uma aceleração muito grande das vendas através dos meios digitais. Depois dessa experiência, a maioria dos tutores deve manter o uso dos e-commerces ao adquirir produtos para seus animais”, esclarece Leonardo Brandão, coordenador da Comac.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.