Galaxy S20 traz números parrudos. Mas ele será melhor que os futuros rivais?

Adriano Ponte
Tudo sobre

Saiba tudo sobre Galaxy S20

Ficha técnica

Depois de muitas semanas de vazamentos intensos, a Samsung finalmente oficializou a linha Galaxy S20 com o nome esperado e praticamente todos os detalhes já informados anteriormente. Caso você tenha perdido alguma coisa, pode ver como são os três modelos, S20, S20+ e S20 Ultra, em nossa matéria completa com hands-on e tudo.

Há diversas novidades nos dispositivos. Uma delas é a presença da nova memória RAM LPDDR5, que promete ser até 30% mais veloz e 20% mais econômica que a LPDDR4 utilizada nos topo de linha mais recentes da marca. Além disso, o conjunto de câmeras finalmente trouxe evolução significativa, com gravação de vídeos em 8K e zoom de até 100 vezes (no S20 Ultra).

No Brasil, já sabemos que a versão dos três modelos vem com o chipset Exynos 990, considerado pela Samsung equiparável ao Snapdragon 865. E nenhum vai ter suporte à rede 5G, ainda indisponível por aqui e sem muita previsão de chegar - o leilão deve acontecer até o final deste ano.

Nada muito diferente do que podemos esperar dos outros topo de linha que ainda vão chegar. Mas vamos avaliar cada característica para ver se a Samsung conseguiu trazer algo realmente novo para o mercado este ano, e se vai ficar à frente dos concorrentes. Porém, é bom lembrar que o S20 é o primeiro topo de linha a ser anunciado no ano. Os rivais ainda serão anunciados nos próximos meses.

Tela com furo para câmera e taxa de atualização de 120 Hz

Tela aumentou e promete animações mais fluidas com a taxa de atualização de 120 Hz (Foto: Adriano Ponte/Canaltech)

A primeira coisa que a gente repara ao olhar para a tela dos Galaxy S20 é a presença de um pequeno furo centralizado para a câmera frontal, de 10 MP nos modelos mais baratos e de 40 MP no Ultra. Ou seja, nada de mecanismos para esconder o sensor, liberando toda a parte frontal para as câmeras.

Não há muitas informações sobre a capacidade dos sensores de selfie dos flagships concorrentes ainda, mas espera-se que muitos deles repitam esse furo. O recém-lançado Mi 10 da Xiaomi já traz o recurso. Já o Motorola Edge+ deve faze o mesmo, com a diferença que ele ficará localizado no canto superior esquerdo. A LG deve seguir com o recorte em formato de U no V60, e a Apple pode reduzir significativamente o notch, também.

Quanto à taxa de atualização, uma nova tendência que apareceu no mercado, a Samsung já saltou para os 120 Hz, ao menos em Full HD. O Mi 10 também deve ter taxa de atualização da tela aumentada, enquanto o Motorola Edge+ deve chegar com 90 Hz. LG e Apple podem seguir esse caminho, também, mas não há muitas informações sobre isso ainda.

Outra característica esperada nos topo de linha rivais de Xiaomi e Motorola é a lateral curva. LG e Apple, aparentemente, vão seguir firmes com suas telas planas, preferência de muitos usuários. A Samsung já adota este formato há bastante tempo, e este ano colocou a tela curva nos três - o S10e tinha o display “flat”.

Conjunto de câmeras com grandes números

Samsung aumentou resolução das câmeras e agora oferece zoom mais "agressivo" (Foto: Divulgação/Sasmung)

Depois de quatro anos seguidos mantendo a câmera principal de 12 MP, a Samsung finalmente aumentou a resolução dos sensores principais da linha S. Desde o S7 a companhia trazia apenas a atualização do sensor. Agora, a empresa repensa totalmente o conjunto fotográfico, apostando em números altos para atrair o consumidor.

Ao menos em partes. Os S10 e S10+ seguem com o tradicional sensor de 12 MP na principal, e ainda perdem a abertura variável. A abertura, no entanto, fica em f/1.8, e o Modo Noturno fica responsável por garantir os bons cliques em ambientes com baixa luminosidade. A ultra-wide tem o mesmo tamanho de imagem, e abertura menor, f/2.2. O sensor - com lente teleobjetiva - traz 64 MP. O S10+ e o S10 Ultra ainda têm “câmera DepthVision”, ou seja, um sensor de profundidade, para fotos com fundo desfocado (Time of Flight).

Já o S10 Ultra realmente aposta nos números grandes. O sensor principal tem impressionantes 108 MP. A ultra-wide é igual à dos outros dois, e a lente teleobjetiva traz 48 MP (para zoom), com hardware mais potente para o zoom óptico do que os outros modelos. E também tem a câmera para fundo desfocado.

De diferencial, a Samsung apresentou o que ela chama de Space Zoom, ou “zoom espacial”. Trata-se de uma combinação de zoom óptico, híbrido e inteligência artificial para fazer uma aproximação de até 100 vezes do objeto. Não é uma imagem impressionante, mas dá para enxergar coisas que estão realmente distantes. Disponível no Ultra, apenas, enquanto os outros dois chegam a até 30 vezes do objeto. Já não é pouca coisa, apesar de o P30 Pro ter zoom de 50x.

Conjuntos de câmeras seguem com três sensores na parte traseira (Foto: Adriano Ponte/Canaltech)

E para fechar, todos gravam vídeos em 8K. Algo que deve aparecer em outros modelos concorrentes. O Xiaomi Mi 10 é outro a seguir com esse recurso. Já a Motorola e a LG ,provavelmente, seguem no 4K por ao menos mais um ano. A Apple teria capacidade de adotar esse recurso até mesmo no iPhone 11 considerando o software dos dispositivos. Vamos ver se chega em 2020.

Com relação às câmeras em si, parece que este é o ano de números altos e aposta em IA para melhorar as fotos com pouca luz. A Samsung abandonou a abertura variável para focar mais no software. A Xiaomi também adotou sensor de 108 MP no Mi 10, enquanto LG e Motorola devem trazer sensores mais modestos, de 48 MP ou talvez 64 MP. Não espere resoluções absurdas no iPhone 12, também.

Baterias parrudas, mas ainda atrás dos concorrentes

Capacidades de bateria deram belo salto nos três modelos (Foto: Adriano Ponte/Canaltech)

Galaxy S20 tem 4.000 mAh, S20+ tem 4.500 mAh e S20 Ultra tem 5.000 mAh de capacidade de bateria. Aumentos significativos para os dispositivos do ano passado. Mas as telas também aumentaram bem, indo de 6,2 polegadas até 6,9 polegadas.

O modelo maior e com mais capacidade de carga tem tela possivelmente maior que todos os concorrentes. E bateria igual ou até menor. Os novos Mi 10 têm capacidade maior: 5.260mAh; o V60 ThinQ, da LG, vem com 5.000 mAh, mas talvez com tela menor. O Motorola Edge+, dizem rumores, teria 5.169 mAh de capacidade nominal. Só o iPhone 12 deve ter capacidade menor, mas o iOS e a plataforma da Apple têm boa eficiência energética, então é capaz de a duração acabar sendo maior, também.

Além disso, apesar de ter suporte ao carregamento de 45W, os S20 trazem na caixa um adaptador de “apenas” 25W. É certo que o Mi 10 vem com carregador mais potente que isso (30W). O Motorola Edge+ tem chance de trazer algo mais potente que os 25W, também.

Outras características

Números impressionantes nas especificações para fã nenhum botar defeito (Foto: Divulgação/Samsung)

Como já mencionado, todos os S20 adotam uma nova geração de memória RAM, a LPDDR5, mais veloz e eficiente, segundo a Samsung. Os concorrentes dificilmente trarão essa nova tecnologia, mas vamos esperar para ver.

Imagens do LG V60 ThinQ mostram que o aparelho vem com conector P2 para fone de ouvido. Não há informação sobre isso no Edge+ , mas o Mi 10 também adotou a conexão. A Apple descartou esse tipo de conector já tem um bom tempo.

Além disso, quase todas essas empresas adotam a certificação IP68 em seus topo de linha há algum tempo. Os fãs esperavam que a Xiaomi finalmente inclua essa característica nos Mi 10, o que não aconteceu (mais uma vez) A Motorola ficou um tempo sem lançar smartphone com hardware de ponta e não sabemos se vai certificar seu Edge+ contra água e poeira. LG e Apple de 2019 são protegidos e devem continuar assim este ano.

Melhor que os rivais?

Não tem como afirmar nada, claro. Nenhum concorrente foi oficialmente apresentado ainda. Mas podemos ver que a Samsung deu um salto maior em novidades este ano do que tem trazido nos anteriores. Câmeras repensadas de verdade, baterias maiores, telas com taxa de atualização maior. Enfim, números que muito fã da tecnologia gosta de buscar para usar como comparação contra outros modelos.

Os Galaxy S20 prometem bastante. Se vão entregar uma boa experiência, saberemos nas próximas semanas e além, quando os primeiros testes e reviews aparecerem. O Canaltech certamente vai trazer uma análise completa muito em breve, então fique ligado por aqui para não perder.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.