O que é o sensor Time of Flight e como ele funciona na câmera do seu smartphone

Por Diego Sousa | 04 de Fevereiro de 2020 às 08h00
AndroidPIT

A tecnologia de câmera Time of Flight (“Tempo de voo”, em tradução livre), ou simplesmente ToF, teve seu ‘boom’ na indústria de smartphones no começo de 2019, quando tanto a Samsung, quanto a Huawei se destacaram por equipar o recurso, na época inovador, em seus modelos Premium.

Responsável por deixar as fotos com fundo desfocado ainda melhores e otimizar a segurança do seu smartphone, o sensor ToF deve equipar as câmeras da maioria dos modelos intermediários premium e topos de linha de 2020. E, nesta matéria, vamos responder o por que você deve ficar de olho nessa tecnologia.


Como a câmera ToF funciona no seu smartphone

Diferente das outras câmeras que vemos nas especificações dos smartphones, o princípio da Time of Flight (ToF) é medir a profundidade da cena. Para isso, ela usa uma luz infravermelha, invisível aos nossos olhos, que reflete no objeto enquadrado e retorna de novo para o sensor. A partir das informações extraídas, o smartphone consegue identificar a distância entre os elementos da cena - na fotografia, você deve conhecer como “profundidade de campo” - tendo como base o celular.

Câmera ToF atua na identificação da profundidade das cenas, auxiliando no modo retrato (Foto: Reprodução)

Na prática, o sensor ToF atua para melhorar as imagens com o famoso efeito desfoque, ou bokeh, já que há um sensor exclusivo que faz o mapeamento tridimensional (3D) do que a câmera principal do celular captura. Sendo assim, o objeto principal não sairia com contornos borrados e o fundo teria um desfoque, teoricamente, mais natural.

Além disso, os dados conseguidos pelo sensor podem servir para a digitalização de objetos e imagens 3D, o que pode melhorar as experiências em aplicativos e jogos de realidade aumentada (RA), assim como o reconhecimento de gestos e rastreamento de objetos. Em 2019, a LG lançou o G8S ThinQ, smartphone topo de linha equipado com o sensor ToF na frontal para capturar os movimentos da sua mão e realizar algumas funções do celular.

Sensor ToF faz o reconhecimento 3D do seu rosto (Foto: Reprodução/LG)

Em relação à segurança, o mesmo sensor frontal do G8s ThinQ é usado para fazer o mapeamento 3D do rosto do usuário para desbloquear ou permitir ações no smartphone, semelhante ao que a Apple trouxe com o Face ID. Esse método é muito mais seguro se comparado ao desbloqueio comum, que usa a própria câmera frontal para fazer a leitura do rosto, pois ele não registra apenas uma imagem de você, mas uma imagem tridimensional mais precisa, evitando que o sistema de segurança seja “enganado” por uma foto, por exemplo.

Democratização da tecnologia Time of Flight

Apesar da recente chegada nos smartphones, o sensor ToF já está no mercado há, pelo menos, uma década. Você se lembra do Kinect? Pois é, em 2010 a Microsoft aplicava a tecnologia no dispositivo para reconhecer o usuário e identificar seus movimentos nos jogos do Xbox. Carros autônomos, drones e robôs também já utilizavam o sensor, mesmo que de uma forma mais complexa (ao invés de luz infravermelha, eram utilizados lasers e projetores de luz).

Micropontos infravermelhos de reconhecimento do Kinect (Foto: Reprodução/YouTube)

Dentre as tecnologias que fazem basicamente a mesma função, a Time of Flight é relativamente mais barata. Isso permitiu que as fabricantes passassem a utilizá-la em seus lançamentos. Mesmo que, inicialmente, presente apenas nos principais smartphones de 2019, não será raro vê-la equipada em smartphones intermediários premium deste ano.


Quais smartphones possuem uma câmera ToF

Até o momento, a lista de smartphones que possui um sensor ToF não é muito extensa. No Brasil, os únicos disponíveis são:

  • Huawei P30 Pro, lançado em 2019, traz a tecnologia junto com outras três câmeras - grande-angular, telefoto e ultra grande-angular;
  • Galaxy A80, da Samsung, com um sistema giratório composto por duas câmeras - grande-angular e ultra grande-angular;
  • Galaxy A71 e A51, recém-lançados pela Samsung no Brasil. Além da câmera ToF, há mais três câmeras traseiras - grande-angular, ultra grande-angular e macro;
  • LG G8S ThinQ possui a solução ao lado das câmeras frontais, para auxiliar no reconhecimento facial e gestos;
  • Galaxy Note 10+,o mais potente da lista, também vem com três câmeras, sendo uma grande-angular, uma telefoto e ultra grande-angular.

O que vem por aí?

Não é muito difícil prever o que será tendência na indústria mobile para 2020: mais câmeras! A Samsung já informou a data do seu evento Unpacked, onde será anunciada a próxima geração da linha Galaxy S. Segundo algumas fontes, é esperado que o Galaxy S20 Ultra seja apresentado com um conjunto quádruplo de câmeras, sendo a principal de 108MP, secundária de 48MP com zoom óptico de 10x, a terceira com 12MP e lente ultra grande-angular, e, claro, um sensor ToF para medir a profundidade. A Huawei também não quer ficar de fora e a próxima geração da linha P Series deve trazer até cinco câmeras traseiras, incluindo um sensor ToF.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.