EUA avalia cortar o fornecimento de chips da Huawei feitos pela TSMC

EUA avalia cortar o fornecimento de chips da Huawei feitos pela TSMC

Por Rubens Eishima | 18 de Fevereiro de 2020 às 08h30
Rubens Eishima/Canaltech

Em mais um round na guerra entre o governo dos EUA e a fabricante chinesa Huawei, fontes da agência de notícias Reuters afirmaram que o governo Trump considera mudar regras de comércio do país para poder cortar o fornecimento de componentes para a Huawei.

A restrição funcionaria como um bloqueio indireto, empresas internacionais que usam tecnologias de companhias norte-americanas – caso da taiwanesa TSMC – ficariam impedidas de fornecer seus produtos feitos com estas tecnologias para empresas nas listas de restrições do governo norte-americano.

A TSMC (Taiwan Semiconductor Manufacturing Company) é a maior fabricante independente de chips do mundo. De suas fábricas saem chips para outras empresas como Apple, Qualcomm, Nvidia e AMD, só para citar alguns exemplos. Outra empresa que utiliza as tecnologias e fábricas da TSMC para produzir seus próprios chips é a HiSilicon, subsidiária da Huawei, que fornece os chips utilizados nos smartphones da empresa, além da marca Honor, outra subsidiária da Huawei.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Sem alternativas

O bloqueio seria um golpe duríssimo contra a Huawei, que perderia o suprimento de seus processadores Kirin. A única outra fabricante que teria capacidade de produzir os chips com um processo de fabricação de 7 nm ou 10 nm equivalente ao da TSMC seria a Samsung Foundry, porém seriam necessárias adaptações aos processos de produção da empresa coreana, o que levaria tempo. E, mesmo assim, as restrições impostas à TSMC poderiam muito bem valer para a Samsung.

Outras fabricantes como a UMC (Taiwan, 14 nm) e Global Foundries (EUA, 14 nm) não possuem os mesmos processos de fabricação utilizados pela TSMC – além de também estarem susceptíveis às restrições norte-americanas. Do lado chinês, apesar do investimento pesado da China para evitar a dependência de tecnologias externas, a maior fabricante local de processadores (SMIC) começou a utilizar o processo de 14 nm há poucos meses.

Segundo a Reuters, um esboço da lei já foi redigido, sua aprovação depende, porém, de uma reunião governamental. Nela, toda empresa estrangeira que usa equipamentos norte-americanos em sua cadeia produtiva terá que obter uma licença dos Estados Unidos para fornecer seu produto para a Huawei.

Neste caso, como grande parte das fabricantes de chips utilizam equipamentos de empresas norte-americanas, mesmo as fábricas chinesas, a aprovação da nova regra tem o potencial de estragar a relação entre Washington e Pequim, poucos meses após a assinatura de um novo acordo comercial entre os governos.

Fonte: Reuters

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.