Análise: Alcatel POP C9, o phablet de outra época

Por Adriano Ponte
photo_camera BRUNO HYPOLITO / CANALTECH

Lançado em junho de 2014, o Alcatel POP C9 é um dos phablets da geração anterior que ainda pode ser encontrado à venda por aí. Desde seu lançamento para cá, o conceito de tamanho "normal" entre os smartphones cresceu consideravelmente e aparelhos que necessitam ser usados com as duas mãos estão cada vez mais populares.

O Alcatel POP C9 oferece esse tamanho "normal" moderno, porém limitando-se aos usuários dispostos a utilizar aparelhos longe da versão mais atual do Android. Sim, infelizmente o C9 é mais um dos aparelhos que "morreram" na estrada da atualização de software.

Usabilidade

Rodando uma versão extremamente defasada do Android e equipado com um generoso display, o POP C9 se encaixa no conceito de “phablet” de fato – afinal, seu uso requer duas mãos.

Porém, como dito, rodar o Android 4.2 num equipamento desses simplesmente limita sua capacidade. Ao checar por atualizações, nada é indicado no sistema sobre versões mais recentes.

Deixando isso de lado e analisando o tamanho de corpo “extra” presente no C9, fica claro que isso não implica numa tela com imagens estouradas ou em baixa resolução – e as cores são vivas e bem definidas.

Como o irmão menor (o POP C7), o desempenho do C9 fica apenas dentro da média. Jogar títulos mais simples e o uso social vai acontecer sem problemas, mas exigir demais do aparelho vai causar lentidão nos processos mais pesados.

Câmeras

A câmera principal de 8 MP apresenta resultados realmente interessantes, mesmo em ambientes fechados, fazendo você poder contar com ela para recordações em boa qualidade.

Já a câmera frontal de 2 MP traz capturas aceitáveis para a resolução, porém nada como o padrão atual de “selfies” de alta qualidade. As fotos produzidas terão cores fracas, além da óbvia baixa resolução.

Acessórios

O POP C9 traz um kit que acompanha seu carregador (que entrega carga total em 2h, aproximadamente), um cabo USB e um par inicial de fones de ouvido.

Não há surpresas aqui, principalmente no par de fones, que realmente é básico.

Bateria

Contando com 2.500 mAh, o POP C9 não vai te deixar na mão tão fácil. Claro, o uso normal do aparelho vai fazê-lo chegar ao fim do dia pedindo por mais energia, então não espere desempenho acima da média dos smartphones que já estamos acostumados.

Ficha técnica

  • Suporte dual chip;
  • Display IPS LCD de 5,5 polegadas com resolução de 540 x 960 pixels, totalizando 200 ppi;
  • Android Jelly Bean (versão 4.2);
  • Processador Quad-core de 1,3 GHz;
  • 4 GB de armazenamento interno (com cerca de 1,72 GB disponíveis), 1 GB RAM e suporte a cartões microSD de até 32 GB;
  • Câmera principal de 8 MP e dianteira de 2 MP;
  • Wi-Fi b/g/n, Bluetooth v4.0, GPS, 3G e Rádio FM;
  • Bateria de 2.500 mAh.

Vale a pena?

Custando aproximadamente R$ 600 (até o fechamento desta matéria), o Alcatel POP C9 sofre de um problema de idade: ao mesmo tempo que entrega uma tela interessante e par de câmeras aceitável, fica preso ao Android 4.2 (desatualizado) e não oferece conexão 4G.

Numa comparação puramente entre preços, podemos citar o Redmi2 como concorrente, já que ele oferece mais capacidade de processamento, conectividade e resultados de câmera. Porém, se você prefere um celular maior e não se importa com a versão defasada do Android que equipa o POP C9, pode ser uma opção válida. Aconselhamos, no entanto, que você busque por preços mais convidativos, ou mesmo promoções, visto que o aparelho não entregará uma experiência ao nível da nova geração, como a linha Moto G e Asus Zenfone.

Inscreva-se em nosso canal do YouTube!

Análises, dicas, cobertura de eventos e muito mais. Todo dia tem vídeo novo para você.