Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

O Caso Asunta | A história real por trás da série que conquistou a Netflix

Por| Editado por Durval Ramos | 29 de Abril de 2024 às 13h05

Link copiado!

Netflix
Netflix
Tudo sobre Netflix

O Caso Asunta é a nova minissérie de true crime da Netflix e promete deixar os assinantes com os olhos grudados na tela. Lançada no dia 26 de abril, a obra conta, em seis episódios, um dos crimes que mais chocou a Espanha: o desaparecimento de Asunta Basterra, uma menina de 12 anos que foi encontrada morta em um campo perto de onde morava, em Santiago de Compostela. 

O caso aconteceu em 2013 e, de acordo com a polícia, os culpados foram Alfonso Basterra e Rosário Porto, pais adotivos da garota. O casal tinha uma boa condição financeira — ele era jornalista econômico e ela era cônsul honorária da França — e adotou Asunta quando ela tinha nove meses de vida, quando ela havia acabado de chegar à Espanha, já que nasceu na China.

Em 2013, eles se separaram e passaram a dividir os cuidados com a menina, mas pouco tempo depois decidiram matá-la. Para isso, Alfonso a dopou com 27 comprimidos de ansiolíticos e Rosário a sufocou. 

Continua após a publicidade

Depois a mulher levou o corpo da filha até o campo onde ela seria encontrada. Quando interrogados pela polícia, o casal negou a autoria do crime, mas respostas vagas e inconsistentes fizeram com que eles se tornassem os principais suspeitos.

Além disso, testemunhas contaram que essa não foi a primeira vez que Asunta foi dopada e que a menina já chegou a ir para a escola tonta e drogada.

O caso também ganhou repercussão na imprensa e a opinião pública foi rápida em massacrar o casal espanhol, xingando-os de assassinos e cercando-os em sua casa.

No trailer, é possível ver que tanto Alfonso quanto Rosário estão bem fragilizados em relação ao ocorrido. Em 2015, eles foram condenados a 18 anos de prisão. Rosário se suicidou em 2020 na cadeia e Alfonso ainda cumpre pena, mas segue afirmando ser inocente.

Tranquilizantes e instabilidade emocional

A relação dos Basterra com remédios tranquilizantes não era uma novidade. Depois de perder a mãe, em 2011, e o pai sete meses depois, Rosario começou a fazer uso das fortes medicações. Um deles era Orfidal, um ansiolítico que fazia dormir e que foi encontrado no corpo de Asunta.

Continua após a publicidade

Além dele, também foram encontradas na casa do casal cordas muito semelhantes àquelas que foram achadas ao lado do corpo da menina.

Por trás do crime

Mesmo com a investigação da polícia espanhola na época, não ficou claro quais foram os motivos para que o casal matasse a própria filha, e esse é um dos pontos que a minissérie da Netflix busca decifrar. Não à toa, ela é produzida por Ramón Campos, um dos repórteres que mais investigou o crime na época e que também é o responsável pelo documentário Lo que la verdad esconde (O que a verdade esconde) que tenta desvendar o caso.

Continua após a publicidade

Vale comentar que, no mesmo ano da prisão, a defesa de Alfonso apresentou um recurso de apelação argumentando que Basterra foi sentenciado sem prova válida e que a condenação carece de base razoável, mesmo assim ele continuou preso sem redução de pena.

Dirigido por Jacobo Martínez e com Candela Peña e Tristán Ulloa (Berlim) no elenco, a trama tem feito sucesso com a imprensa espanhola. No El País, ela foi elogiada por respirar verdade e se adequar aos fatos que realmente aconteceram.