Crítica | Mythic Quest mostra em forma de humor o desenvolvimento de um game

Por Natalie Rosa | 09 de Março de 2020 às 11h17
Divulgação

A plataforma de streaming da Apple, o Apple TV+, lançou no início de fevereiro uma nova série de comédia. Batizada de Mythic Quest: Raven's Banquet, a produção entra na lista das tramas que se passam em um ambiente de trabalho, mas com um diferencial inovador: o cenário é um estúdio desenvolvedor de videogames.

O game em questão é o Mythic Quest, e na série eles estão se preparando para lançar a continuação do jogo, que é um sucesso no mundo todo, recebendo o nome de Raven's Banquet. Na produção, tudo o que se pode esperar de um ambiente de trabalho é encontrado, desde o chefe com ego inflado, problemático e inconveniente, e funcionários caricatos, com personalidades fortes e, inclusive, sendo poucos deles os mais "normais".

Atenção! Daqui em diante este texto pode conter spoilers!

Imagem: Divulgação/Apple TV+

Em parceria com a Ubisoft, uma das maiores desenvolvedoras de games do mundo, Mythic Quest consegue mostrar o processo de desenvolvimento de um jogo e toda a história que há por trás de seus criadores e seus significados. O foco inicial é em uma nova ferramenta disponibilizada para os jogadores: uma pá. Com gráficos invejáveis, o jogo aparece na série sem deixar nada a desejar em relação a um game de fantasia, e em uma ótima decisão dos produtores é representado por um streamer famoso, conhecido como Pootie Shoe, um adolescente de apenas 14 anos.

A comunidade streamer é fortemente representada na série, sendo Pootie Shoe a maior referência da atualidade, dependendo de sua aprovação para que o jogo se torne um sucesso. Mesmo sendo próximo da realidade, chega a ser engraçado ver desenvolvedores, marketing, comercial e programação, com anos de experiência e estudo, aguardando a aprovação de um pré-adolescente.

Imagem: Divulgação/Apple TV+

A série também aborda, em tom de piada e crítica, a falta de espaço para as mulheres nos games, mesmo que a chefe de programação seja uma mulher, a Poppy, interpretada pela australiana Charlotte Nicdao. Com grande influência no jogo, sendo simplesmente a responsável por dar vida às ideias do chefe Ian, papel de Rob McElhenney, ela chega a questionar a sua importância dentro da empresa e se sentir desvalorizada; por isso, quase aceita uma proposta em uma desenvolvedora concorrente.

Em um dia em que Poppy está fora do escritório em um evento procurando por um novo streamer, a desenvolvedora recebe a visita de meninas que estão querendo iniciar na carreira da programação. Porém, quase nenhuma mulher está disponível para fazer o tour e contar como é trabalhar com aquilo, e em conversa com uma das programadoras, ela relata que trabalhar em um ambiente predominantemente masculino é cruel e acaba gerando rivalidade entre as mulheres, pois não há espaço para todas.

Imagem: Divulgação/Apple TV+

Além de Poppy, a personagem feminina que ganha destaque na série é Dana, interpretada por Imani Hakim, que deixa o cargo de testadora do game para se tornar a nova streamer oficial do jogo, visto que Pootie Shoe abandonou o barco.

O quinto episódio

Imagem: Divulgação/Apple TV+

Dando uma pausa nos acontecimentos de Mythic Quest e o lançamento de Raven's Banquet, a série traz um episódio que acontece em uma linha do tempo alternativa, contando a breve história de um casal que é mostrado apenas pelos seus apelidos: Doc, um produtor de videogame, e Beans. Eles se conhecem em uma loja de jogos, descobrindo essa paixão em comum mesmo aparentando não combinarem.

Juntos, vemos eles criando um jogo que sempre foi uma ideia de Beans, que vira um grande sucesso até ganhar uma continuação e, eventualmente, se tornar um filme. Por fim, descobrimos que o estúdio que o casal comprou para se tornar o escritório de desenvolvimento de seus jogos é o mesmo usado agora para Mythic Quest, tornando-se o cenário de uma nova história.

Mythic Quest: Raven's Banquet é uma série a ser apreciada por adoradores de jogos, mas também por quem busca por uma comédia leve e fácil de assistir. Apesar de não despertar no espectador tantas risadas assim, a trama consegue divertir bastante em seus nove episódios, enquanto mostra de forma caricata o que acontece dentro de um escritório, com cada funcionário tendo a sua peculiaridade bizarra que acaba tornando o lugar praticamente em um manicômio.

A série está disponível em nove episódios no Apple TV+.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.