Não seja a próxima vítima do golpista do Tinder: confira dicas para se proteger

Não seja a próxima vítima do golpista do Tinder: confira dicas para se proteger

Por Felipe Demartini | Editado por Claudio Yuge | 10 de Fevereiro de 2022 às 15h00
Netflix

Os velhos golpes do namoro ganharam cara nova com o Tinder e tantos outros apps de encontro e relacionamento. Como uma das principais artimanhas dos criminosos é, justamente, se aproveitar da confiança e ingenuidade das pessoas, serviços desse tipo se tornaram um vetor comum já que, afinal, estamos falando de um espaço onde as pessoas já estão dispostas a criarem conexões e podem até se sentirem mais vulneráveis.

Os casos ganharam projeção e atenção na última semana com o lançamento de O Golpista do Tinder. No documentário original Netflix, conhecemos a história de Simon Leviev, que fraudou mulheres de diferentes países em centenas de milhares de dólares após um match no aplicativo, usando táticas de engenharia social para se passar por herdeiro de um império de diamantes e, depois, chantagens emocionais e ameaças para tentar manter controle sobre as vítimas.

Quem assistiu à produção sabe que o caso escala de forma bastante significativa, com direito ao envolvimento de autoridades internacionais e grandes veículos de imprensa. E enquanto O Golpista do Tinder ajuda a conscientizar sobre os perigos dos aplicativos desse tipo, a maioria dos casos acontecem em uma esfera bem menor, tanto em valor quanto em atitudes, mas que também pode resultar em prejuízos e danos psicológicos para as vítimas.

Algumas medidas de segurança, porém, podem impedir isso. Veja algumas dicas para não cair em golpes no Tinder — e não se preocupe, não vamos dar spoilers muito pesados do documentário da Netflix, que merece ser assistido.

Não envie documentos, dados pessoais ou de cartão de crédito no Tinder

Desconfie de pedidos envolvendo dados ou documentos pessoais no Tinder, pois eles podem ser isca para fraudes ou roubo de identidade (Imagem: ConvertKit/Unsplash)

Logo nos primeiros atos dos golpes de Leviev, informações sensíveis das vítimas são solicitadas. Ele promete reservar voos em aviões particulares e viagens luxuosas para elas, mas para isso, pede cópias do passaporte e outros tipos de informações pessoais que jamais devem ser passadas em situações desse tipo, a não ser que você tenha confiança extrema no indivíduo que está pedindo ou no serviço utilizado.

Cópias de passaportes e documentos pessoais, assim como os dados contidos neles, trazem informações sensíveis que podem ser usadas em roubos de identidade. Isso sem falar nas informações de cartão de crédito, sejam fotos ou simplesmente números, datas de validade e códigos de segurança. Tais dados permitem que um golpista faça compras em seu nome, mesmo sem acesso a senha e mecanismos de autenticação em duas etapas.

Dados sensíveis devem ser mantidos em sigilo, a não ser quando um cadastro for realmente necessário, enquanto informações financeiras precisam permanecer ocultas. Jamais compartilhe cartões de crédito por meio do Tinder ou aplicativos de mensagens e evite fornecer informações que não sejam necessárias aos contatinhos.

Desconfie de pedidos por dinheiro no Tinder

Evite enviar dinheiro a contatos que conheceu pelo Tinder; caso a pessoa alegue estar precisando de ajuda, busque outras maneiras de prestar auxílio, que não envolvam transferências (Imagem: Alexander Mils/Pexels)

Ainda na linha da dica anterior, fique vigilante a solicitações de valores financeiros, pagamentos de contas ou transferências. Uma tática comum em golpes de romance é a solicitação de dinheiro para o pagamento de viagens, de forma que os pombinhos virtuais possam se encontrar pessoalmente — a vítima, normalmente, só percebe ter sido vítima de fraude quanto isso jamais acontece.

Problemas graves, acidentes ou questões de vida ou morte também podem ser usadas como pretexto para que os criminosos peçam dinheiro às pessoas interessadas neles, se aproveitando do relacionamento em potencial. É a tática usada por Leviev, que também envolve uma boa dose de pressão que, como sabemos pelo noticiário de segurança digital, é inimiga da análise necessária para que se evite cair em farsas desse tipo.

Oferecer auxílio em caso de necessidade é ótimo, mas enviar dinheiro para alguém que mal conhecemos, nem tanto. Em situações complicadas, o ideal é encaminhar a pessoa à polícia ou outros serviços de assistência, prestando ajuda financeira apenas nos casos em que houver confiança absoluta.

Perfis verificados e pesquisas de imagem aumentam a confiança no Tinder

Verificação de perfis do Tinder garante que as imagens publicadas são reais, a partir de selfies tiradas na hora pelo usuário (Imagem: Captura de tela/Felipe Demartini/Canaltech)

O Tinder possui um sistema de verificação de fotos para os usuários, trazendo maior segurança de que o match obtido é efetivamente real. Selfies tiradas na hora são comparadas com as imagens escolhidas para o perfil, com um selo de verificação azul aparecendo ao lado do nome de quem completou o processo.

A ausência da indicação não é sinal de que as imagens são falsas, claro. Mas em caso de desconfiança, sempre vale a pena tirar uma screenshot e usar pesquisas por imagem, como a disponibilizada pelo próprio Google, para checar se a foto é efetivamente real e não aparece em perfis de outras pessoas por aí.

Chamadas de vídeo também podem ajudar a identificar fraudes desse tipo, pois são bem mais difíceis de serem falsificadas. No sentido oposto, desconfie se o contatinho se recusar a conversar com você desta maneira.

Procure o match do Tinder nas redes sociais

Pesquisar nas redes sociais ajuda a encontrar possíveis perfis fraudulentos e identificar fotos tiradas de outro lugar, mas usadas em perfis no Tinder (Imagem: Reprodução/Business Review)

Dar aquela “stalkeada” para descobrir mais sobre um match também ajuda a identificar possíveis perfis fraudulentos ou informações falsas. Novamente, as buscas em plataformas como Twitter e Instagram podem levar aos donos reais das aparências usadas no Tinder, bem como revelar mais informações que podem ter sido omitidas ou ocultadas no aplicativo.

Porém, é importante usar esse recurso com parcimônia e, principalmente, respeitar a privacidade de quem está do outro lado da tela. Caso não tenha recebido o link para outra rede social do próprio contatinho, evite realizar contatos fora do Tinder — isso vale, principalmente, para aquelas pessoas que você curtiu, mas não resultaram em match, uma indicação de que ela não está interessada.

O próprio Tinder facilita essa transição, entretanto, com uma integração entre sua plataforma e o Instagram, permitindo que os usuários exibam mais fotos em seus perfis e até convidem os interessados a seguirem por lá. Mas caso essa ligação não esteja ativada, porém, use a busca apenas para fins de pesquisa e evite ser invasivo.

Marque encontros do Tinder em lugares públicos (e avise alguém)

Marcar em lugares públicos é uma medida essencial para quem quer marcar um encontro com um contato do Tinder (Imagem: Divulgação/Diamond Films)

Caso todas as verificações anteriores tenham resultado positivo, o papo esteja bom e você esteja pronto para um “date”, ainda assim, certos cuidados devem ser tomados. O ideal é evitar marcar encontros em locais privados, como hotéis ou até mesmo a casa do pretendente, preferindo locais públicos como restaurantes, cinemas ou bares, por exemplo.

É claro, tudo sempre pode dar muito certo e fazer surgir a vontade de levar o assunto para um local mais privado. Ainda assim, e em todos os casos, é importante deixar alguém ciente de que o “date” está acontecendo, seja um amigo ou familiar. Envie fotos e contatos pessoais do match, assim como os locais em que o encontro vai acontecer. Vale a pena, até mesmo, combinar uma palavra-chave de segurança, que pode ser enviada de forma rápida em caso de problemas.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.