Anonymous diz ter invadido TV russa para exibir imagens da guerra na Ucrânia

Anonymous diz ter invadido TV russa para exibir imagens da guerra na Ucrânia

Por Felipe Demartini | Editado por Claudio Yuge | 07 de Março de 2022 às 15h00
Anonymous

Em mais uma ofensiva digital contra a Rússia, o grupo Anonymous afirmou ter invadido canais de TV e serviços de streaming do país para exibir imagens da guerra na Ucrânia. Cenas de ataques aéreos e relatos de jornalistas internacionais teriam aparecido em pelo menos seis canais estatais e plataformas de conteúdo sob demanda, em protesto contra a invasão que vem se desenrolando ao longo das últimas semanas.

Textos com palavras de ordem e protestos contra o conflito e o governo de Vladimir Putin também foram exibidos nas telas, além de cenas fortes como o ataque contra um prédio do governo em Kharkiv, a segunda maior cidade da Ucrânia, e imagens do bombardeio contra áreas civis da capital, Kiev. Os ataques também teriam atingido representações internacionais de canais estatais da Rússia em outros países da Europa.

De acordo com contas ligadas ao Anonymous nas redes sociais, teriam sido comprometidas as plataformas Wink e Ivi, que entregam conteúdo de entretenimento e informativos via streaming, e os canais Russia 24, Channel One e Moscow 24; o Russia Today, que opera na França e também é ligado ao governo russo, também teria sido atingido. Os relatos surgiram na madrugada desta segunda-feira (07).

O ataque seria uma forma de combater a propaganda russa, que vem afirmando que a invasão da Ucrânia foi iniciada como forma de manter a paz nas fronteiras com a Rússia e evitar a ascensão de grupos supremacistas no país, que estariam em guerra civil. As mensagens também pediam que os cidadãos do país se opusessem aos conflitos e demonstrassem que o povo é contra a guerra.

Anonymous declarou guerra à Rússia e apoio à Ucrânia

Ainda, os golpes foram rapidamente relacionados a outras intrusões realizadas pelo Anonymous ao longo da última semana, desde que os hacktivistas declararam guerra à Rússia. No que afirmam ser a maior operação conjunta de sua história, mais de 300 sites oficiais ou ligados ao Kremlin e ao governo da aliada Bielorrússia teriam sido tirados do ar, enquanto em um dos golpes mais ousados, o bando afirmou ter invadido os sistemas da Roscosmos, a agência especial do país, e o impedido de controlar seus satélites espiões.

O diretor da Roscosmos, Dmitry Rogozin, negou a invasão aos sistemas da agência de controle espacial na última semana, afirmando que todos os sistemas seguem funcionando normalmente. Enquanto isso, o governo da Rússia não confirma nem nega uma invasão a canais ou plataformas de streaming estatais.

Rússia e Ucrânia entram em sua terceira semana de conflitos armados, enquanto conversas entre os dois países sobre um cessar-fogo não avançam nem mesmo quando o assunto são corredores humanitários, para a retirada de refugiados. Os números oficiais falam em 498 militares russos mortos na primeira semana de ofensiva, enquanto a ONU fala em 364 civis mortos na Ucrânia, mas admite que o número pode ser muito maior, principalmente, nas áreas que já foram controladas pelos invasores.

Fonte: Anonymous TV (Twitter)

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.