Sites do governo da Rússia saem do ar em ataques a favor da Ucrânia

Sites do governo da Rússia saem do ar em ataques a favor da Ucrânia

Por Felipe Demartini | Editado por Claudio Yuge | 28 de Fevereiro de 2022 às 12h08
NEOSiAM 2021/Pexels

Os principais sites do governo da Rússia amanheceram fora do ar nesta segunda-feira (28), após uma série de ataques cibernéticos por grupos a favor da Ucrânia e contra a guerra. As páginas do Kremlin, centro da administração do país, e diferentes serviços à população seguem indisponíveis ou com dificuldades de acesso, em um golpe cuja responsabilidade foi assumida pelo grupo hacktivista Anonymous.

Operações de guerra digital já eram registradas desde o início da invasão, na última quarta (23), mas foi na sexta-feira (23) que o coletivo declarou guerra à Rússia. No sábado (26), publicações no Twitter indicavam que o principal avlo era o site do Kremlin, que chegou a cair e retornar ao ar durante todo o fim de semana até ser derrubado de vez, na noite deste domingo (27). Desde então, ele permanece inacessível.

As plataformas digitais de outros serviços, como um portal que reúne sistemas de governos estaduais e municipais, bem como páginas do Serviço Alfandegário e do Fundo de Pensão da Federação Russa também seguem fora do ar. Quem tenta acessar o site oficial da capital, Moscou, também não consegue. Todos demoram a carregar e geram mensagens de erro no navegador.

Site da agência de notícias estatal Tass foi desfigurado, em onda de ataques do grupo ativista Anonymous contra páginas ligadas ao governo da Rússia e em apoio à Ucrânia (Imagem: Reprodução/The Daily Beast)

A agência de notícias estatal Tass também foi um alvo, assim como um dos domínios em que o Anonymous foi capaz de publicar uma mensagem de protesto. Durante o período de indisponibilidade, o grupo acusou os jornalistas russos de indiferentes e disse não aguentar mais, mesmo sabendo que alguns dos responsáveis pelo ataque podem ser presos ou mortos pelo governo — o acesso ao portal já havia sido restabelecido na manhã desta segunda.

Em todos os casos, com exceção daquele que envolve desfiguração, parecem se tratar de golpes de negação de serviço, quando os servidores respectivos são bombardeados com um gigantesco volume de acessos e solicitações, até que saiam do ar. Entretanto, como parte dos esforços de apoio à Ucrânia, o Anonymous também vem publicando credenciais vazadas de sistemas da administração russa, assim como documentos de bancos e empresas ligadas ao governo.

O grupo ativista fala em retaliação aos ciberataques orquestrados pelo próprio Kremlin, como parte da ofensiva contra a Ucrânia, e também publica dicas de como os envolvidos podem proteger seus celulares, dispositivos e a si mesmo. Ao mesmo tempo, o Anonymous segue pedindo o apoio e a participação de outros coletivos que desejarem contribuir com informações e infraestrutura para a oposição cibernética.

O conflito entre a Rússia e a Ucrânia entra nesta segunda em seu quinto dia, ainda com ataques à capital, Kiev, assim como em Kharkiv, a segunda maior cidade do país. Enquanto isso, a comunidade internacional impõe sanções monetárias aos russos; na Bielorússia, emissários dos presidentes Vladimir Putin e Volodymyr Zelensky iniciam conversas que podem levar a um cessar-fogo.

Fonte: Valor, The Daily Beast  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.