6 anos? Entenda por que a Rússia está há tanto tempo desenvolvendo vacinas

6 anos? Entenda por que a Rússia está há tanto tempo desenvolvendo vacinas

Por Fidel Forato | 13 de Agosto de 2020 às 21h30
Tania Rego\Agencia Brasil

Nesta semana, a Rússia aprovou a primeira vacina do mundo contra o novo coronavírus (SARS-CoV-2), segundo o presidente Vladimir Putin. A velocidade na produção do imunizante, batizado de Sputnik V, só foi possível porque cientistas russos trabalhavam há seis anos na vacina, mas a história não é exatamente essa, ou melhor, não se trata exatamente de seis anos produzindo "a vacina" contra COVID-19. Nesse período, o país trabalhava apenas a tecnologia que poderia ser usada em futuras vacinas, mas com outros vírus. É algo mais ou menos como uma receita, cujos processos devem ser refeitos para cada novo agente infeccioso.

A tecnologia usada para a vacina russa contra a COVID-19 tem base primordial no uso de diferentes tipos de adenovírus, conhecidos por causar o resfriado comum. Nesse processo, o vírus é modificado de forma que não se replique mais, ou seja, não consiga mais se reproduzir. Na sequência, é editado geneticamente e tem incluído em seu material gênico uma proteína do agente infeccioso para o qual se quer a imunidade, no caso mais recente do novo coronavírus.  

Pesquisadores russos trabalham em tecnologia usada para vacina contra a COVID-19 há anos (Imagem: Master1305/Freepik)

O argumento sobre o tempo de pesquisa tão longo pode levantar ainda mais dúvidas sobre a eficácia e a segurança da vacina russa, já que os pesquisadores ainda não completaram os ensaios clínicos de fase 3 do imunizante (quando o medicamento é testado em grupo de milhares de pessoas) e ainda não foram publicados, em artigos científicos, dados de ensaios clínicos anteriores realizados em menos de dois meses, o que corresponde às fases 1 e 2. Além disso, o coronavírus só foi identificado pela primeira vez no mundo no final de 2019.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Desenvolvimento em seis anos?

"Cientistas do Centro Gamaleya têm trabalhado em vacinas baseadas em vetores adenovirais [o modelo usado para a potencial vacina contra a COVID-19] desde a década de 1980 e se tornaram os líderes mundiais no desenvolvimento desse tipo de vacina", afirma o site oficial da vacina Sputnik V.

Inclusive, as autoridades russas afirmam que o Centro Gamaleya já registrou, com sucesso, uma vacina baseada em vetor adenoviral contra o Ebola e que outra vacina baseada em vetor adenoviral está em estágios avançados de testes clínicos contra a Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS). E a partir dessas experiências é que o governo russo atesta a velocidade histórica no desenvolvimento do novo imunizante que, segundo Putin, oferece uma "imunidade sustentável" contra a doença.

“Tivemos a sorte de o coronavírus ser muito próximo do vírus que causa a MERS, então tínhamos, praticamente, uma vacina pronta para uso na MERS, estudada por dois anos na MERS (e) ligeiramente modificada para ser a vacina contra o coronavírus, e essa é a história real, sem política... A Rússia sempre esteve na vanguarda da pesquisa de vacinas”, defendeu Kirill Dmitriev, CEO do RDIF (Russian Direct Investment Fund), para o canal CNBC.

No globo, outras farmacêuticas e universidades também desenvolvem vacinas baseadas em vetores adenovirais, como o imunizante da farmacêutica da Johnson & Johnson, a Janssen. No entanto, esse conhecimento prévio não é entendido como uma licença para se adiantar etapas de estudo para liberação de uma vacina segura e eficaz contra a COVID-19.

Fonte: CNBC e Sputnik V   

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.