Vacina da gripe protege contra efeitos graves da COVID-19; saiba o porquê

Vacina da gripe protege contra efeitos graves da COVID-19; saiba o porquê

Por Fidel Forato | Editado por Luciana Zaramela | 29 de Julho de 2021 às 13h30
Gustavo Fring/Pexels

No momento em que a distribuição de vacinas contra o coronavírus SARS-CoV-2 é desigual no mundo, favorecendo os países ricos, é importante a descoberta de que a vacina contra a gripe (influenza) pode fornecer proteção significativa contra a COVID-19. Segundo análise norte-americana, o imunizante da gripe pode diminuir a possibilidade de internação hospitalar e, consequentemente, da necessidade de UTI.

O estudo sobre os benefícios da vacina contra a gripe foram anunciados pela equipe da pesquisadora Susan Taghioff, da Escola de Medicina Leonard M. Miller da Universidade de Miami (UMMSM). A partir de uma análise retrospectiva de dados de milhares de pacientes do mundo todo, eles concluíram os benefícios desta imunização, segundo estudo apresentado no Congresso Europeu de Microbiologia Clínica e Doenças Infecciosas (ECCMID).

Vacina contra a gripe diminuição risco de internação em UTI da COVID-19 (Imagem: Reprodução/Elements/Twenty20photos)

Estudo com a vacina da gripe

No estudo, a equipe de pesquisadores examinou registros eletrônicos de saúde de mais de 70 milhões de pacientes, onde foi possível selecionar 37.377 pessoas que contraíram COVID-19. Participaram do estudo voluntários dos seguintes países: EUA; Reino Unido; Alemanha; Itália; Israel; e Singapura.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Esse montante de 37,3 mil voluntários foi dividido em dois grupos que foram pareados por fatores que poderiam agravar o risco da infecção, como idade, sexo, tabagismo e problemas de saúde pré-existentes (diabetes, obesidade e doenças pulmonares). O primeiro grupo recebeu a vacina contra a gripe, num intervalo de duas semanas até seis meses, antes de serem diagnosticados com a COVID-19. Já o segundo grupo também foi infectado prelo coronavírus, mas não foi imunizado contra a influenza.

Para entender supostas vantagens da imunização da gripe contra o coronavírus, a incidência de 15 resultados adversos, dentro de 120 dias após o diagnóstico positivo para COVID-19, foi comparado entre os dois grupos. Foram analisadas as seguintes complicações: sepse; acidentes vasculares cerebrais; trombose venosa profunda (TVP); embolia pulmonar; insuficiência respiratória aguda; síndrome do desconforto respiratório agudo; artralgia ou dor nas articulações; insuficiência renal; anorexia; ataque cardíaco; pneumonia; visitas ao pronto-socorro; internação hospitalar; internação na UTI; e óbito.

Descobertas sobre o efeito duplo da vacina

De acordo com a análise, aqueles que não receberam a vacina contra a gripe tinham uma probabilidade significativamente maior — até 20% mais probabilidade — de serem admitidos na UTI. Além disso, a probabilidade era 58% maior de precisar de internação hospitalar. Também foi maior a chance de desenvolver sepse (até 45% mais probabilidade), ter um derrame (até 58% mais probabilidade) e uma TVP (até 40% mais provável). No entanto, o risco de óbito não foi reduzido.

Até o momento, não se sabe exatamente o porquê da vacina contra a gripe fornecer proteção contra a COVID-19, mas o consenso é de que o imunizante estimularia o sistema imunológico inato, ou seja, as defesas gerais do organismo e que não são "feitas" para nenhuma doença específica. Agora, novas pesquisas devem explorar melhor essa ligação positiva.

Fonte: Science Blog  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.