Usando remédio antiparasita, pesquisadores neutralizam coronavírus em 48 horas

Por Nathan Vieira | 06 de Abril de 2020 às 16h48
Miguel Á. Padriñán/Pixabay

Frente a tanta preocupação envolvendo a pandemia da COVID-19, pode ser que uma luz no fim do túnel finalmente tenha sido acesa. Um estudo colaborativo liderado pela Monash University, na Austrália, mostrou que um medicamento antiparasitário pode neutralizar o coronavírus dentro de 48 horas. De acordo com Kylie Wagstaff, que liderou o estudo, os cientistas mostraram que a droga Ivermectin interrompeu o ciclo reprodutivo do vírus da SARS-CoV-2 e descobriram que mesmo uma dose única poderia remover essencialmente todo o RNA viral por 48 horas, causando uma redução realmente significativa após poucas horas da administração.

A ivermectina é um medicamento antiparasitário que também demonstrou ser eficaz contra uma ampla gama de vírus em laboratório, incluindo os HIV, Dengue, Influenza e Zika. Wagstaff alertou que os testes conduzidos no estudo eram in vitro e que ainda precisavam ser realizados em pessoas. “A ivermectina é amplamente utilizada e vista como uma droga segura. Precisamos descobrir agora se a dose em que você pode usá-la em humanos será eficaz — esse é o próximo passo", afirma.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

No entanto, ele ressalta que, embora o mecanismo pelo qual a ivermectina trabalhe no vírus não seja conhecido, é provável que, com base em sua ação em outros vírus, ele aja para impedir que as células carreguem o vírus por muito tempo. O uso da ivermectina no combate à COVID-19 dependeria dos resultados de mais testes pré-clínicos e, finalmente, de ensaios clínicos, com financiamento urgentemente necessário para continuar progredindo o trabalho.

Usando remédio antiparasita, pesquisadores neutralizam coronavírus em 48 horas

O Dr. Leon Caly, do Royal Melbourne Hospital, cientista médico sênior do Laboratório de Referência de Doenças Infecciosas Vitorianas (VIDRL) ​​do Doherty Institute, onde foram realizadas as experiências com coronavírus vivo, diz que como o virologista que fez parte da equipe foi o primeiro a isolar e compartilhar o SARS-CoV-2 fora da China em janeiro de 2020, está entusiasmado com a perspectiva de a ivermectina ser usada como uma droga potencial contra a COVID-19.

Wagstaff fez uma descoberta anterior sobre a ivermectina em 2012, quando identificou o medicamento e sua atividade antiviral com o professor David Jans, do Instituto de Descobertas em Biomedicina de Monash, também um autor neste artigo científico. O professor Jans e sua equipe pesquisam a ivermectina há mais de 10 anos com vírus diferentes. Eles começaram a investigar se funcionava no vírus SARS-CoV-2 assim a pandemia havia começado.

Fonte: Monash University

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.