Ultrassom dos pulmões pode revelar a duração e a gravidade da COVID-19

Ultrassom dos pulmões pode revelar a duração e a gravidade da COVID-19

Por Natalie Rosa | 03 de Agosto de 2020 às 13h27
kjpargeter/ Freepik

O exame de ultrassonografia dos pulmões é um grande aliado na detecção de possíveis danos causados pela COVID-19, de acordo com um estudo publicado no American Journal of Roentgenology, de Leesburg, do estado norte-americano da Virginia.

Yao Zhang, do hospital Beijing Ditan, na China, conta que o exame pode detectar não só a duração da infecção provocada pelo coronavírus, como também a gravidade da doença. O especialista, junto a sua equipe, conduziu ultrassonografias dos pulmões de pacientes que apresentaram síndrome respiratória aguda severa, devido ao vírus SARS-CoV-2, usando um teste de significância estatística chamado Teste exato de Fisher, que compara as porcentagens de cada pessoa em grupos de duração dos sintomas e de gravidade.

Os resultados mostraram que todos os 28 pacientes, sendo 14 homens e 14 mulheres com idades entre 21 e 92 anos, apresentaram resultados positivos em seus exames de ultrassonografia nos pulmões e tomografia computadorizada do tórax. No ultrassom, as linhas B, que representam características relevantes no exame, estavam presentes em 100% dos pacientes, e 67.9% deles (19) apresentaram consolidação pulmonar.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Pulmão com 10 dias de sintomas (Imagem: American Journal of Roentgenology (AJR))

Além disso, 17 pacientes (60,7%) foram observados com linhas pleurais mais espessas e apenas uma pessoa contavam com uma pequena quantidade de derrame pleural, ou água nos pulmões. Zhang diz que a linha pleural mais espessa foi encontrada em pacientes com o maior tempo apresentando sintomas da COVID-19.

O médico conta ainda que as consolidações pulmonares, como fluxo de ar altamente reduzido e exsudato celular, eram mais comuns em pacientes que apresentavam condições mais graves e críticas. Para Zhang, essas análises podem ser usadas para comparações mais precisas no futuro. 

 

 

Fonte: EurekAlert

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.