Publicidade

Tofacitinibe e COVID: remédio da Pfizer reduz risco de morte em 37%, diz estudo

Por| Editado por Luciana Zaramela | 17 de Junho de 2021 às 11h15

Link copiado!

HalGatewood/Unsplash
HalGatewood/Unsplash

No combate ao coronavírus SARS-CoV-2, um novo estudo brasileiro demonstrou que o medicamento tofacitinibe, desenvolvido pela farmacêutica norte-americana Pfizer, reduz em 37% o risco de óbito ou de piora dos quadros de insuficiência respiratória pela COVID-19, em pacientes já hospitalizadas. A pesquisa STOP-COVID foi coordenada pela Academic Research Organization (ARO), do Hospital Albert Einstein, em parceria com a fabricante.

Vendido como Xeljanz, o medicamento é indicado, no Brasil, para o tratamento de artrite reumatoide, artrite psoriásica e retocolite ulcerativa. O uso off label — diferente do da bula — ainda não foi regulamentado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). No entanto, o estudo científico publicado na revista The New England Journal of Medicine, aponta a fórmula como uma potencial ferramenta contra a COVID-19.

Continua após a publicidade

“As respostas de nosso estudo indicam que a utilização do medicamento, quando associado ao tratamento padrão, que inclui glicocorticoides, reduz o risco de morte ou de insuficiência respiratória em pacientes hospitalizados com pneumonia por COVID-19 que ainda não estão necessitando de ventilação mecânica ou de ventilação não invasiva.”, afirma o médico Otavio Berwanger, diretor da ARO e coordenador do estudo.

Pesquisa do Einstein

O tofacitinibe é um dos inibidores das janus quinase (JAKs), ou seja, das proteínas envolvidas no desencadeamento de doenças inflamatórias. No caso da COVID-19, os pesquisadores entendem que a sua atuação diminuiria o risco de ocorrência da chamada tempestade inflamatória — tempestade de citocinas —, o que é uma complicação grave da doença. Isso porque gera uma resposta exagerada do sistema imunológico à entrada do SARS-CoV-2, onde as células saudáveis também são atacadas.

Para este fim, o STOP-COVID foi a primeira pesquisa a investigar o impacto do medicamento contra o coronavírus. Dessa forma, o estudo randomizado e duplo-cego verificou a eficácia e a segurança do produto quando usado em pacientes adultos hospitalizados com pneumonia causada pela COVID-19, mas que não necessitavam de suporte ventilatório invasivo.

Continua após a publicidade
O Canaltech está no WhatsApp!Entre no canal e acompanhe notícias e dicas de tecnologia

No total, participaram do estudo 289 pacientes adultos internados, há no máximo três dias, em 15 centros brasileiros de tratamento. O primeiro grupo recebeu o tofacitinibe duas vezes por dia, além do tratamento padrão. O segundo recebeu o tratamento padrão e um placebo. Cerca de 90% dos participantes (89,3%) foram medicados com glucocorticoides durante a internação, sendo dexametasona usada na maioria dos casos.

Passados 28 dias, o medicamento reduziu em 37% o risco de morte ou falência respiratória em relação ao grupo placebo. Nesse caso, os pesquisadores observaram que é benéfico o seu uso simultâneo com os corticoides, que já demonstraram sua eficácia em pacientes hospitalizados com COVID-19. No entanto, as respostas também foram promissores em pacientes que não receberam corticoides.

“Os resultados do ensaio clínico foram positivos demonstrando que o medicamento pode atuar na tempestade inflamatória que acontece na COVID-19, reduzindo em 37% o risco de insuficiência respiratória ou morte. Trata-se de uma importante evidência científica na luta contra a doença e a Pfizer segue muito empenhada em buscar novas opções terapêuticas”, explica Márjori Dulcine, diretora médica da Pfizer Brasil.

Para acessar o artigo completo, publicado na revista científica The New England Journal of Medicine, clique aqui.