Respiração e oxigênio no sangue podem prever mortalidade de COVID-19, diz estudo

Por Nathan Vieira | Editado por Luciana Zaramela | 24 de Maio de 2021 às 17h20
IciakPhotos/Envato Elements

A frequência respiratória e a saturação de oxigênio no sangue podem prever maior mortalidade por COVID-19. Pelo menos, é isso o que diz um novo estudo da Escola de Medicina da Universidade de Washington, baseado nos dados de 1.095 pacientes hospitalizados com a doença.

Por enquanto, a orientação nos EUA é que as pessoas procurem hospital quando tiverem dificuldade para respirar ou dor no peito. No entanto, o estudo aponta que qualquer um que receba um teste de triagem COVID-19 positivo pode monitorar facilmente esses dois indicadores em casa e procurar ajuda de acordo com a nivelação desses sinais, sem necessariamente sentir o agravamento dos sintomas.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

(Imagem: Geralt/Pixabay)

Isso porque a dificuldade para respirar e a dor no peito podem estar ausentes mesmo quando a respiração e o oxigênio no sangue atingem níveis perigosos, segundo os autores do estudo. Ao longo da análise, embora os pacientes frequentemente apresentassem hipoxemia (baixa saturação de oxigênio no sangue; 91% ou menos) ou taquipneia (respiração rápida e superficial; 23 respirações por minuto), poucos relataram sentir falta de ar ou tosse, independentemente do oxigênio no sangue.

A principal medida do estudo foi a mortalidade hospitalar por todas as causas. No geral, 197 pacientes morreram no hospital. Comparados aos internados com oxigênio sanguíneo normal, os pacientes hipoxêmicos apresentavam risco de mortalidade 1,8 a 4,0 vezes maior, dependendo dos níveis de oxigênio sanguíneo do paciente. Em comparação com pacientes admitidos com frequência respiratória normal, aqueles com taquipneia apresentaram risco de mortalidade 1,9 a 3,2 vezes maior.

Em contrapartida, outros sinais clínicos na admissão, incluindo temperatura, frequência cardíaca e pressão arterial, não foram associados a mortalidade.

Fonte: EurekAlert!

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.