Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Remédio pode conter progressão do diabetes tipo 1

Por| Editado por Luciana Zaramela | 07 de Dezembro de 2023 às 17h13

Link copiado!

James Coleman/Unsplash
James Coleman/Unsplash

Em estudo publicado no periódico The New England Journal of Medicine, pesquisadores revelaram o potencial de um medicamento para combater o diabetes. Trata-se do baricitinibe, comumente prescrito para a artrite reumatoide. Conforme consta na análise, a substância preservou a capacidade das células pancreáticas de produzir insulina e retardou a progressão do diabetes tipo 1.

Os pesquisadores afirmam, em um comunicado, que quando o diabetes tipo 1 é diagnosticado pela primeira vez, ainda existe um número substancial de células produtoras de insulina. A ideia então era ver se conseguiriam impedir a destruição destas células pelo sistema imune.

"Mostramos que o baricitinibe é seguro e eficaz em retardar a progressão do diabetes tipo 1 em pessoas que foram recentemente diagnosticadas", dissertam os pesquisadores.

Continua após a publicidade

O estudo contou com a participação de 91 pacientes com idades entre os 10 e os 30 anos, diagnosticados com diabetes tipo 1 nos últimos quatro meses. Eles foram selecionados aleatoriamente para receber 4 mg/dia de baricitinibe ou um placebo durante 48 semanas.

Remédio para diabetes

O estudo se concentrou no efeito do medicamento no nível de peptídeo C (considerado o melhor método para estudo da reserva insulínica pancreática) e investigou a necessidade diária dos participantes de insulina injetada, HbA1c, um marcador de açúcar no sangue.

Os cientistas também se concentraram na variabilidade da glicose durante o dia, representada como uma porcentagem, com níveis de glicose “estáveis” definidos como aqueles inferiores a 36% e níveis “instáveis” de 36% e acima.

Continua após a publicidade

Os pesquisadores descobriram que, após as 48 semanas, o grupo do baricitinibe apresentava níveis médios de peptídeo C mais elevados em comparação aos controles, indicando que as células pancreáticas estavam sendo preservadas e foram capazes de produzir insulina.

Durante as semanas, o grupo que recebeu o tratamento com baricitinibe teve uma variabilidade da glicose de 29,6% em comparação com 33,8% do grupo placebo. Os pesquisadores finalizam dizendo que nenhum evento adverso grave foi atribuído ao medicamento.

Assim, a expectativa é que o medicamento se torne clinicamente disponível como uma forma de gerir melhor o diabetes tipo 1 para evitar as complicações a longo prazo. É uma preocupação compreensível, se levarmos em conta que mais de 1,3 bilhão de pessoas terão diabetes em 2050.

Continua após a publicidade

Fonte: SVIThe New England Journal of Medicine