Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Poluição pode tornar as pessoas bipolares, depressivas ou esquizofrênicas

Por| Editado por Luciana Zaramela | 27 de Agosto de 2021 às 17h30

Link copiado!

Maxim Tolchinski/Unsplash
Maxim Tolchinski/Unsplash

A poluição do ar é prejudicial não só ao meio ambiente, como também para a saúde humana, e esses fatos que já não são mais novidade. Agora, segundo um novo estudo realizado em Londres, a alta exposição à poluição pode aumentar o risco de uma pessoa desenvolver problemas mentais sérios.

De acordo com a pesquisa, pessoas expostas a 15 microgramas por metro cúbico de dióxido de nitrogênio (NO2) ao longo de um ano têm 18% mais chances de serem internadas em hospitais, além de 32% mais chances de precisar de atendimento ambulatorial para tratar da saúde mental. 

Quase 14 mil pacientes foram analisados para o estudo, que avaliou a frequência de admissão a hospitais e ambulatórios, e essas informações foram comparadas aos níveis de poluição de áreas residenciais de Londres, na Inglaterra. O dióxido de nitrogênio, um dos principais poluentes, se instaura na atmosfera através de combustíveis fósseis, como carvão e petróleo, e quando queimados se tornam tóxicos.

Continua após a publicidade

O estudo revelou que essa exposição pode aumentar os casos de transtornos psiquiátricos graves, como a esquizofrenia, bipolaridade e depressão. Cerca de sete anos depois da primeira consulta dos pacientes analisados, a conexão dos distúrbios com a poluição do ar ainda existia. Até o momento, no entanto, ainda não há uma explicação para tal fenômeno.

"A exposição à poluição do ar residencial está associada ao aumento do uso de serviços de saúde mental entre pessoas recentemente diagnosticadas com distúrbios psicóticos de humor. Intervenções para reduzir a exposição à poluição do ar podem melhorar o prognóstico de saúde mental e reduzir os custos do sistema de saúde", conclui a pesquisa.

Você pode conferir o estudo completo na revista científica da Universidade de Cambridge

Continua após a publicidade

Fonte: The Guardian