Pesquisa diz ter descoberto a causa de coágulos sanguíneos após vacinas da COVID

Pesquisa diz ter descoberto a causa de coágulos sanguíneos após vacinas da COVID

Por Natalie Rosa | Editado por Luciana Zaramela | 28 de Maio de 2021 às 08h30
twenty20photos/envato

Cientistas da Universidade de Frankfurt, na Alemanha, divulgaram na última quarta-feira (26) a possível causa do raro surgimento de coágulos sanguíneos em pessoas vacinadas com os imunizantes da Janssen e AstraZeneca contra a COVID-19. O estudo vem sendo realizado desde março e ainda precisa passar pela revisão por pares.

Os pesquisadores explicam que essas vacinas funcionam usando o adenovírus como vetor viral, entregando instruções genéticas à proteína spike do coronavírus no organismo. Então, os especialistas acreditam que essas instruções estejam sendo entendidas de forma errada, fazendo com que o corpo reaja com distúrbios, como a formação dos coágulos nas artérias.

Imagem: Reprodução/iLexx/Envato Elements

Uma vez dentro do núcleo das células, certas partes do DNA da proteína spike são unidas ou divididas, criando mutações que não conseguem se conectar à membrana celular para gerar a imunização. Com isso, essas proteínas mutantes são secretadas no organismo pelas células, desencadeando o surgimento dos coágulos. O problema, então, seria a entrada do adenovírus no núcleo das células, o que não acontece com os outros imunizantes, como o da Pfizer/BioNTech e Moderna.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Rolf Marschalek, um dos líderes do estudo, explica que essa falha pode ser consertada de forma simples, apenas modificando a sequência genética que instrui a proteína spike, evitando que ela faça uma mutação. Os cientistas reforçam que os casos de coágulos sanguíneos são bastante raros, e que mesmo que seja algo que precise ser consertado, os benefícios da vacinação superam esses efeitos colaterais.

O estudo está disponível para consulta online.

Fonte: Financial Times

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.