O que acontece com o corpo de um doador de órgãos?

O que acontece com o corpo de um doador de órgãos?

Por Natalie Rosa | Editado por Luciana Zaramela | 24 de Agosto de 2021 às 08h30
Jesse Orrico/ Unsplash

A doação de órgãos salva vidas de milhares de pessoas em todo o mundo, mas para que isso aconteça, na maioria das vezes, um possível doador precisa ter entrado em óbito. Até existem casos de pacientes que fazem a doação de órgãos ainda em vida, mas depende de qual órgão a outra pessoa precisa e se é possível que o doador sobreviver sem um ou parte deles. Esses órgãos são rim, parte do fígado e medula óssea.

Para o restante, então, o doador precisa estar em óbito. O que acontece, então, com o corpo do doador quando ele morre? Como os médicos conseguem manter os órgãos vivos até o momento do transplante? O processo exige bastante atenção e cuidado e, assim que é verificada a possibilidade da doação, os médicos precisam agir rápido.

Imagem: Reprodução/Robina Weermeijer/Unsplash

Lesão cerebral

Primeiramente, para que uma pessoa se torne doadora de órgãos, a morte precisa ter acontecido em um hospital, com o corpo conectado a ventiladores mecânicos e o paciente precisa ter sofrido uma lesão neurológica. A morte cerebral, no entanto, pode acontecer de duas formas: a morte cerebral em si ou a morte cardíaca, que acontece quando a condição resulta em uma lesão cerebral irreversível.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Essas lesões podem acontecer em diferentes partes do cérebro e, mesmo quando ainda há uma atividade cerebral pequena, a pessoa pode nunca conseguir se recuperar. Então, ela é mantida em um ventilador mecânico para que os órgãos continuem funcionando de forma artificial. Para a doação, o paciente não pode ter doenças como câncer, ou ainda a infecção pela COVID-19, o que pode danificar os órgãos. Pessoas soropositivas, no entanto, podem doar para outras pessoas soropositivas. 

A análise da saúde dos órgãos pode ser feita em exames de rotina, além de inspeções no coração com a ajuda de um tubo fino (cateter) na veia ou artéria, que passa pelos vasos sanguíneos e vai até o coração. Também é possível fazer uma radiografia do tórax para avaliar o tamanho dos pulmões, se há doença ou infecção. Essa avaliação do pulmão também pode ser feita de forma mais detalhada, com a inserção de um cateter nos pulmões. Com isso, os médicos podem identificar a necessidade do uso de antibióticos. 

A identificação da morte cerebral acontece quando um paciente está em coma, não tem reflexos do tronco cerebral (ou encefálico) e falhou em um teste de apneia que mostra se todas as funções do tronco cerebral realmente foram perdidas. O cérebro nunca pode ser doado, mas em casos de morte cerebral, todos os órgãos podem. Caso aconteça a morte cardíaca, o coração, provavelmente, estará muito danificado.

Imagem: Reprodução/kjpargeter/Freepik

O transplante

Após a declaração de morte e da análise da saúde dos órgãos, os médicos entram em contato com os responsáveis pela lista de pessoas que estão aguardando o transplante e encontram uma combinação que seja bem sucedida. Após encontrarem, cirurgiões são mobilizados para continuar o processo. Caso o paciente doador tenha tido morte cerebral, os órgãos são recuperados pelos médicos com uma técnica que prende o sistema circulatório para impedir o bombeamento do sangue. Já no caso de morte cardíaca, os profissionais esperam o coração parar de bater, o que pode levar de 30 minutos a duas horas, e então mais cinco minutos para garantir que o órgão não vai voltar a bater.

Nesse caso, pode acontecer de os médicos decidirem não recuperar os órgãos se o coração demorar muito tempo para parar de bater, uma vez que isso pode começar a provocar a falha de outros órgãos. Então, para ambos os casos de doadores, os órgãos são drenados e preenchidos com uma solução de preservação fria e, na sequência, são removidos. O processo é acelerado, pois os órgãos precisam chegar o quanto antes para quem vai receber o transplante. O coração e os pulmões podem durar de quatro a seis horas fora do corpo, o fígado até 24 horas, pâncreas de 12h a 24h, e os rins de 48h a 72h. Com os órgãos recebidos, é feito o transplante.

Fonte: LiveScience

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.