Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Novo método pode detectar 14 tipos de câncer em amostras de sangue ou urina

Por| Editado por Luciana Zaramela | 07 de Dezembro de 2022 às 15h53

Link copiado!

National Cancer Institute/Unsplash
National Cancer Institute/Unsplash

Em estudo publicado na revista científica PNAS, um grupo de cientistas descobriu um novo método capaz de detectar 14 tipos de câncer em amostras de sangue ou urina. A novidade pode mudar o cenário atual, em que os testes são específicos para cada tipo de câncer (ou seja, os pacientes precisam ser testados para cada doença separadamente).

Em um estudo totalizando 1.260 participantes, os pesquisadores mostraram a capacidade de detectar o dobro de cânceres de estágio 1, em comparação com os testes baseados em DNA. "O método permite encontrar tipos de câncer que não são rastreados atualmente e não podem ser encontrados com testes MCED baseados em DNA, como tumores cerebrais e câncer renal", apontam os pesquisadores.

No método, algoritmos são usados ​​para encontrar alterações nas glicosaminoglicanas que indicam câncer. A ideia é utilizar volumes comparativamente pequenos de sangue ou urina, o que torna a tecnologia mais barata e acessível.

Continua após a publicidade

Na próxima etapa, os pesquisadores esperam poder realizar um estudo com ainda mais participantes para desenvolver e confirmar o potencial do método para uso em triagem.

"O estudo que nos dá esperança de que um dia a sociedade será capaz de criar programas de triagem capazes de detectar precocemente todos os tipos de câncer", afirmam os especialistas. Mas os próprios envolvidos no estudo reconhecem que, para poder encontrar mais casos de câncer precocemente, novas ferramentas são necessárias.

Outra limitação apontada pelos pesquisadores é uma sensibilidade de apenas 10% na detecção de câncer em estágio 1 e a impossibilidade de detectar tipos específicos da doença, como tumores no cérebro, no sistema reprodutivo ou urinário.

De qualquer forma, o novo método parece expandir as possibilidades do que diz respeito à detecção de câncer precoce.

Fonte: PNAS via News Medical