Nosso corpo recupera pelo menos 28% das calorias gastas em exercícios

Nosso corpo recupera pelo menos 28% das calorias gastas em exercícios

Por Fidel Forato | Editado por Luciana Zaramela | 24 de Setembro de 2021 às 11h50
AnnaStills/Envato Elements

Nem sempre o que você espera perder, em calorias, praticando exercícios, é o que realmente conseguirá queimar. Para cada 100 calorias supostamente queimadas como resultado de um treino aeróbico ou anaeróbico, o corpo vai recuperar ao menos 28% das calorias, segundo pesquisa internacional que agrupou mais de 65 cientistas. 

Em outras palavras, será necessário um pouco mais de exercício para chegar no shape desejado, já que o corpo parece compensar algumas das calorias queimadas durante uma corrida ou caminhada. Para isso, o organismo pode reduzir a atividade biológica em outras partes do corpo. É uma compensação compulsória e automática, de acordo com os pesquisadores do estudo publicado na revista científica Current Biology.

De forma automática, corpo busca recuperar mais de quarto das calorias pedidas em exercícios (Imagem: Reprodução/Anastase Maragos/Unsplash)

No entanto, a pesquisa sugere que a compensação de calorias varia de pessoa para pessoa, e que aprender como seu metabolismo responde aos treinos pode ser a chave para otimizar os exercícios. Inclusive, os resultados reforçam outra questão: a dieta é fundamental no processo de perda substancial de caloria.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Como se imaginava que os exercícios físicos ajudavam na perda de calorias?

Quando uma pessoa se move, os músculos se contraem e é exigido do corpo mais combustível (colorias) do que quando ele está em repouso. Em estudos anteriores, já foi possível observar que caminhar 1,6 km deve queimar, aproximadamente, 100 calorias. 

No entanto, as pessoas presumiam que esse processo seria aditivo, ou seja, caminhar um pouco mais geraria um pouco mais de queima calórica. Se a pessoa fizesse os exercícios e não consumisse alimentos em quantia maior do que o normal na sua rotina, ela perderia peso no final do dia. Nesses cálculos, possíveis mudanças do gasto calórico dentro do próprio organismo não eram consideradas.

Agora, novos estudos (e este incluso) apontam que a contagem de calorias perdidas não é um processo tão racional. Na verdade, a ciência ainda não o compreende 100% e, em decorrência disso, é normal que as pessoas percam menos calorias do que o esperado em uma rotina de exercícios. 

Estudo com água duplamente marcada

Para conseguir medir com precisão quanto cada organismo perde em determinadas atividades — e somando nessa equação o comportamento compensatório do corpo —, os pesquisadores avaliaram voluntários que beberam água duplamente marcada. Este é considerado o padrão ouro em pesquisas metabólicas, porque contém isótopos que permitem um rastreio mais preciso de quantas calorias alguém queima ao longo do dia.

Gasto calórico é menor que o esperado, aponta pesquisa (Imagem: Reprodução/Jonathan Borba/Unsplash)

No total, foram coletados dados de 1.754 adultos, o que incluiu resultados do experimento com água duplamente marcada, medidas corporais e gasto de energia basal — o número de calorias queimadas para manter o corpo vivo. A subtração do gasto calórico basal do total diário foi usado como estimativa para o gasto de energia das pessoas em atividades diárias, como corridas ou caminhadas.

Segundo os pesquisadores, as calorias queimadas durante os exercícios aumentaram o gasto energético diário das pessoas conforme o esperado. Só que os indivíduos estavam queimando apenas 72% das calorias, em média, do que seria esperado, dados os níveis de atividade.

Além disso, foi possível observar que os níveis de compensação de energia aumentaram entre pessoas com níveis relativamente altos de gordura corporal. Nesse caso, os voluntários tendiam a compensar 50% ou mais das calorias que queimavam sendo ativos. 

Para acessar o estudo completo, publicado na revista científica Current Biology, clique aqui.

Fonte: NYT  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.