Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Molécula presente no veneno das vespas pode controlar epilepsia

Por| Editado por Luciana Zaramela | 01 de Abril de 2024 às 11h34

Link copiado!

Claudia/Pixabay
Claudia/Pixabay

Pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade de Brasília (UnB) encontraram uma molécula no veneno de vespas brasileiras, com a capacidade de auxiliar no tratamento da epilepsia e proteger o cérebro. Hoje, mais de 50 milhões de pessoas no mundo sofrem com crises epilépticas, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Apelidada de occidentalina-1202, a proteína contra epilepsia é encontrada na peçonha da vespa marimbondo-estrela (Polybia occidentalis). A espécie de vespa social é encontrada tipicamente no cerrado brasileiro.

"Occidentalina-1202 é um peptídeo [proteína] com aplicabilidade promissora no tratamento da epilepsia e pode ser considerado um interessante modelo de fármaco para o desenvolvimento de novos medicamentos”, afirmam os autores do estudo, em artigo publicado na revista Brain Communications.

Continua após a publicidade

Molécula do veneno da vespa

Na atual etapa de pesquisa pré-clínica, os cientistas avaliaram os efeitos da molécula extraída do veneno da vespa em camundongos com crises induzidas de epilepsia por ácido caínico (cainato) e pentilenotetrazol. Ambos os compostos causam convulsões.

Segundo os pesquisadores, a proteína consegue atravessar a barreira hematoencefálica, chegando ao cérebro. Ali, pode controlar a atividade elétrica excessiva, impedindo as crises. Também bloqueia os mecanismos associados à morte de neurônios.

No experimento, foram testadas tanto a versão original da molécula quanto uma sintética — recriada em laboratório. Como as duas responderam de forma positiva, a pesquisa deve avançar com a versão sintética, mais fácil de ser produzida em larga escala para um futuro remédio contra epilepsia. 

Potencial remédio contra a epilepsia

Nos testes com roedores, a molécula extraída das vespas não demonstrou ser tóxica e nem causou efeitos adversos indesejados nos animais, como problemas motores ou cognitivos.

De forma oposta, a maioria dos remédios prescritos para tratamentos antiepilépticos tendem a causar efeitos indesejados, como problemas de memória e sonolência. Agora, é preciso avançar com os testes e, oportunamente, a nova molécula deve ser avaliada em seres humanos, o que ainda não tem prazo para começar.

Continua após a publicidade

Vale destacar que, há anos, a ciência utiliza os venenos e as toxinas de animais para descobrir novos remédios. Há testes com moléculas extraídas a partir do veneno de aranhas, cobras e até mesmo peixes.

Fonte:  Brain Communications