Ministério da Saúde deve fechar a compra de 45 milhões de doses da CoronaVac

Por Fidel Forato | 17 de Dezembro de 2020 às 18h52
Daniel Schludi/Unsplash

Na quarta-feira (16), o Ministério da Saúde apresentou o plano oficial de vacinação contra a COVID-19 no Brasil. No documento, foram considerados quatro potenciais imunizantes contra o novo coronavírus (SARS-CoV-2) que poderão estar disponíveis para os brasileiros. Agora, a pasta deve assinar, nesta semana, acordo com o Instituto Butantan para a compra de 45 milhões de doses da Coronavac, desenvolvida em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac, segundo o governo do Pará.

Caso o acordo siga conforme o esperado, as doses da CoronaVac contratadas devem ser entregues, de forma gradual, a partir de janeiro de 2021. Do total acordado, o Instituto Butantan deve disponibilizar ao governo federal 20 milhões de doses até o dia 30 de janeiro. As doses que faltarem serão compartilhadas até o final de março.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

De acordo com as informações compartilhadas pelo governo do Pará, após reuniões com técnicos do Ministério da Saúde, deverá haver uma cláusula no contrato exigindo que toda a produção nacional da CoronaVac, vinculada ao governo de São Paulo, seja destinada para o Plano Nacional de Imunização (PNI).

Ministério da Saúde deve anunciar a comprar de 45 milhões de doses da CoronaVac (Imagem: Reprodução/ Thirdman/ Pexels)

Vacinas contra a COVID-19

Além das doses que o acordo com a CoronaVac poderá fornecer, o Ministério da Saúde espera que a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) entregue 15 milhões de doses da vacina de Oxford —  desenvolvida em parceria com a farmacêutica AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford, no Reino Unido —, segundo o governo do Pará. 

No entanto, o pedido de registro desse imunizante para a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) deve ser feito a partir de 21 de janeiro. Assim, o início da imunização com a fórmula deve começar por volta do dia 10 de fevereiro. “Também temos outra situação. Dependendo de um diálogo diplomático, existe a possibilidade de virem para o Brasil entre uma e duas milhões de doses do Laboratório AstraZeneca, que desenvolve a vacina de Oxford, já prontas para envase e aplicação”, afirmou o governador do Pará, Helder Barbalho.

Outras negociações ainda estão em andamento com o Ministério da Saúde, como a que envolve 500 mil doses da vacina da farmacêutica norte-americana Pfizer e da empresa de biotecnologia alemã BioNTech, mas que dependeria da importação de insumos ao Brasil. Vale lembrar que nenhuma vacina contra a COVID-19 obteve autorização de uso no país até o momento.

Mais crédito para compra de vacinas

Para acelerar os processos de compra de vacinas contra a COVID-19 e a futura vacinação dos brasileiros, o presidente Jair Bolsonaro assinou nesta quinta-feira (17) uma Medida Provisória (MP) que abrirá crédito extraordinário de R$ 20 bilhões, em favor do Ministério da Saúde. “Tão logo tenhamos uma vacina certificada pela Anvisa, ela estará a disposição de todos no Brasil, de forma gratuita e voluntária”, afirmou o presidente. A expectativa é que a MP seja publicada ainda nesta tarde, em uma edição extra do Diário Oficial da União.

Em nota, a Secretaria-Geral da Presidência explicou que o novo valor liberado deve cobrir as despesas com a compra das doses de vacina, seringas, agulhas, logística, comunicação e outros custos que sejam necessárias para a campanha de imunização contra a COVID-19. Segundo o Ministério da Saúde, ainda não foi estipulado onde o dinheiro será usado. A ideia é que ele possa ser utilizado conforme o planejamento e as necessidades da pasta.

Fonte: Agência Brasil e IstoÉ  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.