Maranhão identifica 6 primeiros casos da variante indiana do coronavírus no BR

Maranhão identifica 6 primeiros casos da variante indiana do coronavírus no BR

Por Fidel Forato | Editado por Luciana Zaramela | 20 de Maio de 2021 às 14h50
Viktor Forgacs/Unsplash

Nesta quinta-feira (20), o Instituto Evandro Chagas (IEC) — órgão ligado a Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde (SVS/MS) — confirmou os primeiros 6 casos da variante indiana do coronavírus SARS-CoV-2 no Brasil. A linhagem B.1.617 do vírus da COVID-19 foi identificada em seis tripulantes no navio MV SHANDONG DA ZHI, que está ancorado no estado Maranhão.

"Vale ressaltar que são os primeiros casos desta variante [da Índia] no Brasil, contudo tratam-se de casos importados e as medidas de contenção estão sendo executadas pelos órgãos competentes", destacou o IEC, em nota. Com isso, o instituto esclarece que os pacientes da COVID-19 não foram infectados no país e que, até onde se sabe, não há circulação comunitária da variante. A embarcação saiu originalmente de Hong Kong, mas a última parada foi na cidade do Cabo, na África do Sul.

Para confirmar que os tripulantes da embarcação estavam infectados com a variante da Índia do coronavírus, foi feito o sequenciamento genômico de cada suspeito presente na embarcação. Esta investigação individual foi realizada pelo Laboratório de Vírus Respiratórios da Seção de Virologia do IEC.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Seis casos da variante indiana do coronavírus foram identificados no Brasil (Imagem: Reprodução/Twenty20photos/Envato)

É importante explicar que a linhagem B.1.617 do coronavírus foi considerada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como sendo uma variante de preocupação (VOC - Variant of Concern). No caso indiano, a linhagem já possuí três sub-linhagens (B.1.617.1, B.1.617.2 e B.1.617.3). No Brasil, as seis amostras confirmadas são da sub-linhagem B.1.617.2. Essa tem se dispersado com mais eficácia atualmente, já tendo sido descrita em diversos países ao redor do mundo, segundo o IEC.

Segundo nota da Secretaria de Estado de Saúde (SES) do Maranhão, "a SES relembra que toda tripulação do navio permanece em quarentena e isolada em cabines individuais". A exceção ocorre apenas para os casos que precisam de acompanhamento, o que ocorre em "hospital da rede privada".

Entenda como a variante do coronavírus da Índia chegou ao Brasil

Para entender o caso do navio MV SHANDONG DA ZHI, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) notificou um caso da COVID-19 na tripulação e, dessa forma, amostras foram coletadas de tripulantes com suspeita da doença. No total, foram coletadas amostras de secreção respiratória de 24 tripulantes, sendo que 15 estavam positivas para o coronavírus SARS-CoV-2.  Entre as amostras positivas no ensaio de RT-qPCR, seis atendiam os critérios para a realização da investigação da linhagem viral.

Dessa forma, a equipe do IEC realizou o sequenciamento genômico delas através da Plataforma MiniSeq – Illumina. Em seguida, foi feita uma análise de bioinformática dos dados e a submissão das sequências geradas para a plataforma Pangolin (Phylogenetic Assignment Of Named Global Outbreak Lineages) v 2.4.2. Assim, foi possível classificá-las como sendo da variante indiana.

Para acessar a nota técnica, publicada pelo IEC após a análise genômica das amostras, clique aqui.

Fonte: IEC e SES   

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.