Luzes alucinógenas? Cientistas replicam efeito de drogas usando luz piscante

Luzes alucinógenas? Cientistas replicam efeito de drogas usando luz piscante

Por Natalie Rosa | Editado por Luciana Zaramela | 07 de Julho de 2021 às 14h36
evening_tao/Freepik

O uso de substâncias psicodélicas, como a ayahuasca e psilocibina, acontece sob a justificativa de serem benéficas para a saúde mental. Porém, as vantagens de passar por essas experiências podem não ser agradáveis a todos. Pensando nisso, cientistas se dedicaram a descobrir uma forma de chegar a essas alucinações sem a ingestão de drogas.

Em um estudo publicado na revista científica Plos One, os cientistas mostraram que é possível ter alucinações apenas com o piscar de luzes. A pesquisa conta que um estudo da década de 1960 havia usado luzes piscantes para tentar incrementar os efeitos da mescalina, um alucinógeno natural encontrado em um cacto, e do cogumelo mágico.

Então, sabendo que o uso de luzes intermitentes podem ser usados de forma recreacional para gerar diferentes estados de consciência, os cientistas do estudo atual decidiram investigar a possibilidade de a prática engatilhar os mecanismos neuronais semelhantes aos efeitos das substâncias psicodélicas.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Imagem: Reprodução/Freepik

Estudo

Participaram da pesquisa 24 pessoas, cada uma delas previamente examinada para descobrir se poderiam sofrer de epilepsia fotossensível. Então, elas foram colocados em uma sala escura e precisaram fechar os olhos enquanto uma luz estroboscópica, aquela que dispara "flashes" de luzes de forma regular, ficava ativa durante 20 minutos.

Para fazer a comparação da exposição à luz com as substâncias psicodélicas, os voluntários da pesquisa precisaram responder a uma série de questionários, com perguntas validadas cientificamente, que costumam ser usados para analisar estados alterados de consciências em estudos sobre drogas. 

Então, eles descobriram que as luzes piscantes desencadeiam um certo grau do que é chamado de experiência de consciência turva, comparado à administração de uma dose baixa do sedativo cetamina. Em resposta aos estímulos, os participantes relataram a visão de "imagens elementais", como "estruturas fractais dinâmicas e coloridas", similares às que são geradas após uma dose recreativa média de LSD.

Cogumelo mágico (Imagem: Reprodução/Wirestock/Freepik)

Conclusão

Ao fim do estudo, os pesquisadores concluíram que os efeitos visuais gerados pelo estímulo de luzes piscantes podem ser tão fortes quanto os gerados por substâncias psicodélicas. Porém, os cientistas explicam que os efeitos são limitados à visão, enquanto outras alterações de consciência se apresentam de uma maneira menos robusta. 

Para exemplificar essa conclusão, eles dizem que as luzes piscantes não desencadearam reações "místicas" ou de dissolução do ego, tampouco alucinações mais complexas. Além disso, drogas psicodélicas são capazes de aumentar as habilidades de pensamento criativo dos usuários, o que não aconteceu no estudo.

Por fim, o resultado da pesquisa foi satisfatório, e levou os autores a concluírem que o estímulo de luz é capaz de induzir efeitos visuais de forma semelhante às drogas psicodélicas, auxiliando na investigação de mecanismos neuronais compartilhados.

Você pode conferir o estudo completo neste link.

 

Fonte: IFL Science

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.