Inteligência artificial emitiu aviso sobre coronavírus em dezembro

Por Felipe Demartini | 28 de Janeiro de 2020 às 16h20
Chung Sung-Jun/Getty

Um sistema de inteligência artificial emitiu um alerta sobre uma possível disseminação do coronavírus mais de uma semana antes do pronunciamento oficial da Organização Mundial de Saúde (OMS). O algoritmo da BlueDot, uma empresa de tecnologia para a saúde, enviou e-mail a organizações de saúde e companhias aéreas no dia 31 de dezembro, alertando para que eles evitassem a região de Wuhan, na China, que mais tarde foi confirmada como o epicentro da epidemia.

A tecnologia funciona por meio de um mapeamento de notícias a partir de centenas de fontes internacionais em 65 idiomas, além de rastrear redes de pesquisas em saúde, dados de companhias aéreas, comunicados oficiais de empresas ligadas ao agronegócio, pecuária e outras, e até mesmo fóruns de discussão sobre diferentes temas. Com tais informações, a BlueDot compila alertas relacionados a eventuais áreas de risco e novas doenças, como foi o caso do coronavírus, sobre os quais os clientes da companhia foram informados 10 dias antes do pronunciamento oficial da OMS e sete antes do Centro de Prevenção e Controle de Doenças dos Estados Unidos, considerado o primeiro a oficializar a epidemia.

Mais do que apenas enviar avisos sobre o coronavírus, o sistema foi capaz de prever, também, o caminho que seria seguido pela infecção. Com base em dados de companhias aéreas e voos saídos de Wuhan, a tecnologia foi capaz de indicar cidades como Seul, Taipei, Tóquio e Bangkok como focos da doença antes mesmo de casos serem confirmados em todas elas. Os alertas, mais uma vez, eram voltados para que os clientes evitassem viajar para tais regiões e tomassem medidas sanitárias para reduzir o contato com o patógeno.

De acordo com Kamran Khan, CEO da BlueDot, o alerta pôde ser dado antecipadamente devido ao fato de sua tecnologia não depender de fontes oficiais do governo, como é o caso de organizações estatais de saúde. Ele criticou o silêncio das autoridades chinesas sobre o assunto e a demora na divulgação de informações sobre os casos do coronavírus, que levou a um alerta tardio por parte de órgãos internacionais de saúde, enquanto já se falava sobre o assunto em noticiários e grupos de discussão.

Khan acredita que o alerta da BlueDot poderia ter sido feito ainda mais cedo caso o sistema levasse em conta, também, as redes sociais, algo que não acontece devido à alta poluição dos dados, que prejudicam uma análise confiável. Ainda assim, ele acredita que a tecnologia é a mais veloz da atualidade na detecção desse tipo de epidemia, servindo não apenas para resguardar a saúde das pessoas como, também, auxiliar na contenção e tratamento dos infectados.

IA da BlueDot coleta dados de milhares de fontes para compilar casos de doença infecciosa e alertar sobre possíveis epidemias (Imagem: Divulgação/BlueDot)

A BlueDot foi fundada em 2014 e já angariou mais de US$ 9,4 milhões em investimentos. A ideia de criar um algoritmo de detecção de epidemias foi do próprio Khan, um infectologista que trabalhou no Canadá durante a epidemia de SARS em 2013. Para ele, o caos gerado pela disseminação da doença e as dificuldades em a conter não poderiam acontecer de novo, o que fez com que ele olhasse para a tecnologia como uma forma de ajudar na prevenção de doenças infecciosas.

A tecnologia funciona por meio de machine learning e algoritmos de previsão, com um time de 40 pessoas, entre médicos e programadores, trabalhando o sistema e o alimentando com informações adicionais para auxiliar na precisão dos achados. Os funcionários também trabalham na validação das informações, com a BlueDot garantindo que nenhum alerta é feito sem que um grupo de especialistas dê o aval, como forma de não emitir falsos positivos e gerar pânico entre a população. Os dados são compartilhados com os clientes da empresa, que incluem companhias aéreas, hospitais, institutos de pesquisa e outras organizações de saúde, além de governos. O público geral, entretanto, não tem acesso às informações, algo que Khan afirma que mudará em breve.

Pandemia?

O surto do coronavírus começou a tomar conta dos jornais na última semana e, segundo os números mais recentes, já foram identificados mais de 4,5 mil infectados na China, com 106 mortes confirmadas, sendo a maioria delas em Hubei. Fora do país, pelo menos 14 países já tiveram casos confirmados, incluindo Japão, Cingapura, Estados Unidos, França, Alemanha, Austrália, Coreia do Sul e Arábia Saudita.

Nenhum caso foi confirmado no Brasil até o momento; uma suspeita surgiu na última semana, mas os médicos confirmaram não se tratar do coronavírus, enquanto o governo de Minas Gerais anunciou nesta segunda-feira (27) que existe um possível novo caso em Belo Horizonte.

Fonte: Wired

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.