Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Governo apreende 49 toneladas de passas contaminadas que iriam para panetones

Por| Editado por Luciana Zaramela | 13 de Dezembro de 2022 às 18h31

Link copiado!

OlesyaSh/Envato
OlesyaSh/Envato

Nesta semana, o Ministério da Agricultura precisou intervir contra a comercialização de 49 toneladas de passas contaminadas por Ocratoxina A, substância tóxica produzida por fungos. Os produtos, que seriam utilizados na fabricação de panetones, foram interceptados em São Borja (RS) e Foz do Iguaçu (PR).

Segundo um estudo da Universidade Federal do Rio Grande, a Ocratoxina A faz parte das micotoxinas, que são produzidas por fungos filamentosos em diferentes etapas da cadeia produtiva de alimentos. Os destaques ficam por conta de seus efeitos nefrotóxicos (potencial risco de causar lesão nos rins), carcinogênicos (capacidade de promover uma alteração genética nas células do corpo humano) e teratogênicos (que pode promover uma alteração na estrutura de um feto).

Basicamente, a Ocratoxina A pode estar presente em produtos alimentares como cereais, frutos secos, café, cacau, uvas, e processados, como vinho, cerveja ou sumos de fruta. A intervenção do Ministério aconteceu depois que a fiscalização constatou uma taxa que supera em quatro vezes o limite máximo permitido para a presença dessa substância.

Continua após a publicidade

A teoria, por enquanto, é que fungos do gênero Aspegillus podem ter contaminado as uvas antes da colheita graças a condições ambientais favoráveis ao desenvolvimento. Outra hipótese é que o armazenamento in adequado das passas tenha causado mofo e, por sua vez, a liberação de micotoxina por fungos do gênero Pinicillium.

Diferente das bactérias, os fungos fazem parte do Reino Fungi e agem como decompositores, ou seja, realizam a reciclagem da matéria orgânica na cadeia alimentar, causando a decomposição. Geralmente, esses seres vivos liberam enzimas sobre o alimento e depois absorvem os nutrientes de que precisam.

Alguns fungos são utilizados na culinária, na produção de vinhos e de fermento, enquanto outros se mostram fundamentais para a fabricação de medicamentos, mas vale o alerta de que eles também podem causar infecções e doenças, quando conseguem driblar as barreiras de proteção do organismo. Isso ocorre principalmente durante períodos de queda da imunidade ou por ferimentos na pele.

Fonte: G1, Universidade Federal do Rio Grande