Fiocruz diminui pela metade estimativa de produção nacional da vacina; entenda

Fiocruz diminui pela metade estimativa de produção nacional da vacina; entenda

Por Fidel Forato | Editado por Luciana Zaramela | 03 de Junho de 2021 às 15h37
rawf8/envato

A partir da transferência de tecnologia para a produção da vacina Covishield (Oxford/AstraZeneca), a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) deve ganhar autonomia e ampliar entregas do imunizante contra a COVID-19. No entanto, a quantidade prevista para este ano foi reduzida pela metade em comparação ao que era esperado inicialmente. Das 110 milhões de doses da fórmula contra o coronavírus SARS-CoV-2 anunciadas, apenas 50 milhões devem ser entregues em 2021.  

"A nossa meta é ir ao máximo. Os 110 milhões foram uma estimativa com os dados que tínhamos antes mesmo de a vacina ter sido aprovada, de várias etapas terem acontecido, dos problemas iniciais com o IFA", explicou a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade, durante coletiva de imprensa para anunciar a chegada dos bancos de células e de vírus.

Previsão de entrega de vacinas nacionais da Fiocruz é reduzida (Imagem: Reprodução/Diana Polekhina/Unsplash)

Diante desse desafio de produção da vacina Oxford/AstraZeneca contra a COVID-19, a intenção da Fiocruz é suprir a diferença com a importação de mais IFA (Ingrediente Farmacêutico Ativo) da China. A questão ainda está em negociação, mas, caso seja acordada, poderão ser entregues, no segundo semestre, as 100 milhões de doses anunciadas. 

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Além disso, Trindade confirmou o risco de haver a suspensão temporária da produção de novas vacinas entre agosto ou setembro. Isso poderia acontecer entre o fim da produção de doses com o insumo importado e o início das entregas com o IFA nacional para o Programa Nacional de Imunização (PNI), do Ministério da Saúde.  

Vale lembrar que, nesta semana, a Fiocruz ultrapassou o Instituto Butantan e se tornou a maior fornecedora de imunizantes contra o coronavírus para o Brasil. No total, já foram entregues 47,6 milhões de doses da vacina Oxford/AstraZeneca, enquanto o Butantan enviou 47,2 milhões da CoronaVac. 

Fonte: Folha de S. Paulo  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.