Publicidade

Estudos alertam: você não deveria passar tanto tempo sentado

Por| Editado por Luciana Zaramela | 15 de Maio de 2023 às 17h58

Link copiado!

 Masson-Simon/Envato
Masson-Simon/Envato

Estudos ressaltam um grande problema que tem acompanhado a sociedade no século XXI: passar muito tempo sentado, um hábito inevitável (considerando a maior parte das carreiras atuais), que leva a problemas posturais e cardiometabólicos.

Ficar sentado por um longo período pode causar rigidez nos músculos e tendões, levando à síndrome da dor femoropatelar e dor lombar. Cientistas já encontraram associação entre ficar sentado por muito tempo e problemas com a extensão do quadril, o que pode levar a outras formas de dor musculoesquelética, por exemplo.

Outra teoria dos especialistas é que sentar coloca o corpo em estado de espera. Com isso, o metabolismo fica mais lento, a circulação fica restrita e sua capacidade de lidar com a glicose fica comprometida.

Continua após a publicidade

Segundo estudo conduzido pelo Columbia University Medical Center, quando uma pessoa fica sentada por muito tempo, os músculos não têm a oportunidade de se contrair e operar de maneira ideal. Para conter esses impactos negativos, é necessário realizar pequenos intervalos para atividades como caminhada.

Malefícios de passar tanto tempo sentado

De acordo com um novo estudo realizado no Canadá, pessoas com menos de 60 anos que trabalham e estudam sentadas são sete vezes mais propensas a sofrer um derrame. Na ocasião, os pesquisadores também afirmaram que, para reduzir os riscos, pessoas que passam mais de oito horas sentadas trabalhando ou estudando precisam ajustar o tempo com a prática de atividades físicas.

Continua após a publicidade
O Canaltech está no WhatsApp!Entre no canal e acompanhe notícias e dicas de tecnologia

Passar tanto tempo sentado não afeta apenas o físico: um estudo publicado na revista científica Frontiers in Psychiatry revela que esse comportamento é prejudicial à saúde mental, e pode piorar quadros de ansiedade e depressão.

Fonte: The Guardian