Você trabalha sentado? Este é o seu risco de ter um AVC antes dos 60

Você trabalha sentado? Este é o seu risco de ter um AVC antes dos 60

Por Natalie Rosa | Editado por Luciana Zaramela | 25 de Agosto de 2021 às 10h40
Corinne Kutz/Unsplash

Se você trabalha ou estuda sentado no computador por muito tempo e não é fisicamente ativo, é hora de prestar mais atenção na sua saúde, de acordo com um novo estudo realizado no Canadá. A pesquisa mostra que pessoas com menos de 60 anos e nestas condições são sete vezes mais propensas a sofrer um derrame do que quem passa menos de quatro horas sem se mover e que pratica, pelo menos, 10 minutos de atividade física diária.

Raed Joundi, autor do estudo e pesquisador na Universidade McMaster em Ontario, no Canadá, conta que a relação do derrame com permanecer muito tempo sentado acontece no sangue. "Acreditamos que o tempo sedentário prejudique a glicose, o metabolismo lipídico e o fluxo sanguíneo, e aumenta a inflamação no corpo. Com o tempo, essas mudanças podem provocar efeitos adversos nos vasos sanguíneos e aumentar o risco de derrame e ataque cardíaco", explica o médico.

Imagem: Reprodução/ArthurHidden/Freepik

Para reduzir os riscos, pessoas que passam mais de oito horas sentadas trabalhando ou estudando precisam ajustar o tempo com a prática de atividades físicas. O ideal, segundo especialistas em cardiologista, seria a prática de 150 minutos semanais de exercícios moderados a intensos, em períodos de mais de 10 minutos por vez. Além disso, é preciso considerar mudanças na qualidade de vida, uma vez que estudos anteriores já mostraram a relação de derrames com o consumo de bebidas alcoólicas, por exemplo.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

O estudo foi feito com base em dados de saúde de 143 mil adultos do Canadá, com 40 anos ou mais e sem histórico de derrame, e os cientistas os acompanharam por mais de nove anos. Você pode conferir a pesquisa na revista científica Stroke.

Fonte: CNN

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.