Estudo aponta seis tipos diferentes de COVID-19, com sintomas variados

Por Nathan Vieira | 21 de Julho de 2020 às 13h05
Pixabay

Na última semana, pesquisadores do King's College London divulgaram uma análise dos dados sobre COVID-19 que indica a existência seis tipos diferentes da doença, com base em um conjunto específico de sintomas. Além disso, a equipe descobriu que esses diferentes tipos se diferem na gravidade da doença e na necessidade de suporte respiratório durante a hospitalização.

Essas descobertas podem ajudar os médicos a prever quem está em maior risco e provavelmente precisará de cuidados hospitalares em uma segunda onda de infecções por coronavírus. Embora tosse contínua, febre e perda de olfato sejam principais sintomas de COVID-19, os dados coletados dos usuários do aplicativo mostram que as pessoas podem experimentar uma ampla gama de sintomas diferentes, incluindo dores de cabeça, dores musculares, fadiga, diarreia, perda de apetite e falta de ar.

Para descobrir se determinados sintomas tendem a aparecer juntos e como isso está relacionado à progressão da doença, a equipe de pesquisa usou um algoritmo de aprendizado de máquina para analisar dados de cerca de 1.600 usuários no Reino Unido e nos EUA com a COVID-19. A análise revelou seis agrupamentos específicos de sintomas.

Todas as pessoas que relataram sintomas apresentaram dor de cabeça e perda de olfato, com combinações variadas de sintomas adicionais em vários momentos. Alguns deles, como confusão, dor abdominal e falta de ar, não são amplamente conhecidos como sintomas de COVID-19, mas são marcas das formas mais graves da doença.

Os seis tipos de COVID-19

A equipe descobriu que esses diferentes tipos se diferem na gravidade da doença e na necessidade de suporte respiratório (Imagem: Unsplash)

Com isso em mente, os seis tipos de COVID-19 são:

1. Semelhante à gripe, mas sem febre: pessoas neste grupo sofrem de dores de cabeça, perda de olfato, dores nos músculos, tosse, garganta inflamada, dor no peito, mas não têm febre.

2. Semelhante à gripe e com febre: dores de cabeça, perda de olfato, tosse, garganta inflamada, rouquidão, febre e perda de apetite.

3. Gastrointestinal: o grupo três sente dores de cabeça, perda de olfato, de apetite, garganta inflamada, dor no peito, diarreia, mas sem tosse.

4. Nível 1 severo, fadiga: dores de cabeça, perda de olfato, tosse, febre, rouquidão, dor no peito e fadiga.

5. Nível 2 severo, confusão mental: as pessoas têm dores de cabeça, sofrem de perda de de olfato, perda de apetite, tosse, rouquidão, garganta inflamada, dor no peito, fadiga, confusão mental e dores nos músculos.

6. Nível 3 severo, sintomas abdominais e respiratórios: pacientes nesta categoria apresentam vários sintomas que incluem dores de cabeça, perda de olfato, perda de apetite, tosse, febre, rouquidão, dor no peito, fadiga, confusão mental, dores musculares, falta de ar, diarreia e dores abdominais.

Eles descobriram que apenas 1,5% das pessoas com cluster 1, 4,4% das pessoas com tipo 2 e 3,3% das pessoas com o tipo 3 de COVID-19 necessitaram de suporte respiratório. Esses números foram de 8,6%, 9,9% e 19,8% para os agrupamentos 4,5 e 6, respectivamente. Além disso, quase metade dos pacientes do grupo 6 acabou no hospital, em comparação com apenas 16% dos pacientes do agrupamento 1.

Em termos gerais, as pessoas com sintomas com o tipo 4,5 ou 6 COVID-19 tendiam a ser mais velhas e mais frágeis, eram mais propensas a estar acima do peso e a ter condições pré-existentes, como diabetes ou doença pulmonar, do que aquelas com os tipos 1,2 ou 3.

Previsão de riscos

Modelo feito por pesquisadores pode prever em que grupo um paciente se enquadra e seu risco de exigir hospitalização (Imagem: Pixabay)

Além disso, os pesquisadores desenvolveram um modelo que combina informações sobre idade, sexo, IMC e condições pré-existentes, juntamente com os sintomas coletados em apenas cinco dias a partir do início da doença. Isso foi capaz de prever em que grupo um paciente se enquadra e seu risco de exigir hospitalização e suporte respiratório com maior probabilidade de estar correto que um modelo de risco existente baseado puramente em idade, sexo, IMC e condições pré-existentes.

Dado que a maioria das pessoas que necessitam de suporte respiratório chega ao hospital cerca de 13 dias após os primeiros sintomas, esses oito dias extras representam um 'aviso precoce' significativo sobre quem provavelmente precisará de cuidados intensivos.

Os pesquisadores também identificaram erupções cutâneas como um sintoma chave do COVID-19 em até um em cada dez casos. No entanto, não foi reconhecido como sintoma durante o período em que os dados foram coletados para esta análise, portanto, atualmente não se sabe como as erupções cutâneas são mapeadas para esses seis grupos.

Fonte: King's College London

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.