Publicidade

Eis o que acontece com seu cérebro enquanto você pratica atividade física

Por| Editado por Luciana Zaramela | 14 de Setembro de 2022 às 10h30

Link copiado!

Graham Mansfield/Unsplash
Graham Mansfield/Unsplash

O que acontece com seu cérebro enquanto você pratica atividade física? É justamente essa resposta que visa trazer um projeto conduzido por pesquisadores da Brigham Young University (EUA). Segundo o relatório, o exercício aumenta o fluxo sanguíneo direcionado ao cérebro.

Os autores comentam que o exercício induz um bom fluxo sanguíneo para fornecer todos os nutrientes necessários para realizar o trabalho do cérebro, enquanto também aumenta a produção de moléculas importantes para a função cerebral.

Outra teoria levantada pelos pesquisadores é que o exercício melhora a memória, ao aumentar os alvos moleculares, como o fator neurotrófico derivado do cérebro (BDNF). Esse fator molecular aumenta a sinaptogênese, formando novas sinapses que mediam o aprendizado e a memória, facilitando a absorção de informações e a formação de memórias de longo prazo. Na prática, quanto mais BDNF, mais a memória melhora em função e capacidade.

Continua após a publicidade

O relatório aponta, ainda, que o exercício não diminui os hormônios do estresse, mas diminui o número de receptores de estresse no hipocampo. A redução dos receptores de estresse minimiza o efeito desses hormônios no cérebro, diminuindo o impacto das experiências estressantes.

Outro benefício do exercício relacionado ao estresse é que treinar estimula a liberação de endorfinas, neurotransmissores que agem nos receptores opiáceos no cérebro para criar a sensação de euforia durante ou após a atividade física.

Anteriormente, estudos apontaram que a atividade física aumenta a neuroplasticidade (também chamada de plasticidade neural) nas pessoas, ou seja: a capacidade do cérebro de se remodelar em resposta às mudanças ambientais, o que leva à redução de sintomas da depressão. Vale observar, ainda, que exercícios físicos são uma excelente arma na prevenção do Alzheimer.

Continua após a publicidade

Fonte: BYU