Doenças neurológicas entram na lista de comorbidades da vacinação; confira

Por Fidel Forato | Editado por Luciana Zaramela | 21 de Maio de 2021 às 16h20
twenty20photos/envato

As orientações do Ministério da Saúde sobre quem compõe os grupos prioritários da imunização contra o coronavírus SARS-CoV-2 foram atualizadas na quinta-feira (20). Agora, a pasta considera doenças neurológicas crônicas como uma comorbidade e, dessa forma, pessoas deste grupo devem ter acesso facilitado aos imunizantes contra a COVID-19 no país. 

De acordo com a última versão do Plano Nacional de Operacionalização (PNO), podem ser incluídos na imunização prioritária da COVID-19 pacientes com as seguintes condições:

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

  • Doença cerebrovascular, como acidente vascular cerebral isquêmico ou hemorrágico, ataque isquêmico transitório e demência vascular;
  • Doenças neurológicas crônicas que impactem na função respiratória;
  • Indivíduos com paralisia cerebral, esclerose múltipla ou condições similares;
  • Portadores de doenças hereditárias e degenerativas do sistema nervoso ou muscular;
  • Portadores de deficiência neurológica grave.

A atualização da Saúde, no entanto, não específica os nomes exatos de todas as doenças neurológicas que foram incluídas na lista de comorbidades para a vacinação contra a COVID-19. Por exemplo, o Alzheimer é um transtorno neurodegenerativo progressivo e fatal, o que provavelmente o faz ser enquadrado na lista.

Doenças neurológicas crônicas são consideradas comorbidades para a imunização contra a COVID-19 (Imagem: Reprodução/Mufid Majnun/Unsplash)

Outra doença que afeta o sistema nervoso de forma degenerativa e progressiva, podendo acarretar paralisia motora irreversível, é a esclerose lateral amiotrófica (ELA). Pela definição atual, quem possui esta condição deve ser considerada prioritária também. Essa questão pode gerar dúvidas, na hora, da imunização. 

Vale lembrar que a atualização é uma orientação da Saúde, então é sempre importante verificar para quais comorbidades a região, em que uma pessoa reside, são contempladas no momento. Isso acontece porque existe autonomia entre estados e municípios para avaliar as especificidades da situação epidemiológica local.

Para acessar o Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 (PNO) completo, elaborado pelo Ministério da Saúde, clique aqui.

Fonte: Ministério da Saúde e G1    

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.