Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Demência infantil existe e cientistas buscam novo tratamento

Por| Editado por Luciana Zaramela | 30 de Abril de 2024 às 14h12

Link copiado!

Stephen Andrews/Unsplash
Stephen Andrews/Unsplash

A demência precoce já marca presença na comunidade de medicina, mas poucos olhares estão voltados para a demência infantil. Na verdade, quase ninguém sabe que essa condição existe. Justamente por isso, o pessoal da Flinders University busca incessantemente por métodos de tratamento.

Tamanha preocupação não é a toa: as consequências da demência infantil são muito delicadas, já que 50% dos pacientes morrem aos dez anos de idade, e 75% aos 18 anos.

O grande problema é que a doença progride de forma muito rápida, o que destaca a necessidade extrema da intervenção precoce.

Continua após a publicidade

Em meio à escassa opção de tratamentos, o grupo de pesquisa da Flinders descobriu uma forma de tratamento que altera algumas células afetadas pela demência infantil e torna mais parecidas com células normais.

Reprogramação celular em demência infantil

A equipe desenvolveu um novo modelo celular com reprogramação química direta, e no ensaio clínico transformou células da pele em células do sistema nervoso.

“A reprogramação química das células leva apenas cerca de duas semanas para cada paciente, tornando-se um excelente modelo para identificar rapidamente novos tratamentos que de outra forma poderia levar anos. Um prazo que os pacientes simplesmente não têm", anuncia o grupo.

No comunicado, o Siti Mubarokah, que lidera o grupo, lamenta que a demência infantil não pode ser curada, mas observa que se for possível proporcionar uma intervenção precoce através de medicaments, as crianças com demência podem desfrutar de uma melhor qualidade de vida no futuro.

“Espero que os resultados do projeto conduzam a um tratamento medicamentoso seguro e amplamente disponível para a demência infantil”, assume o pesquisador.

“Nossa pesquisa é impulsionada pelo compromisso de melhorar a vida das crianças afetadas pela demência e de suas famílias”, diz o professor Hemsley, também envolvido no grupo de pesquisa.

Continua após a publicidade

Para fazer o projeto acontecer, o grupo passou a contar com o apoio de US$ 70 mil (R$ 362 mil) da Fundação Little Heroes.

Demência infantil

No ano passado, a Universidade de Adelaide mostrou 145 distúrbios genéticos que causam demência infantil. Ou seja: a condição resulta de danos cerebrais progressivos causados ​​por um conjunto de doenças genéticas.

No que diz respeito a sintomas da demência infantil, os afetados apresentam perda de memória, confusão, alterações de personalidade, sono gravemente perturbado e dificuldade de concentração, compreensão, aprendizagem e comunicação.

Continua após a publicidade

Em outras palavras, a demência infantil " rouba" das crianças as competências que acabaram de aprender, como falar, brincar e reconhecer os seus parentes. Isso pode acontecer ao longo de meses, anos ou décadas, até que eventualmente o cérebro perca a capacidade de manter o corpo vivo.

Fonte: Flinders University, The University of Adelaide