Publicidade

Covid-19: variação genética explica casos assintomáticos da doença

Por| Editado por Luciana Zaramela | 20 de Julho de 2023 às 11h19

Link copiado!

fernando zhiminaicela/Pixabay
fernando zhiminaicela/Pixabay

Desde a ascensão da pandemia, a covid-19 assintomática tem sido um mistério. No entanto, um artigo publicado na Nature na última quarta-feira (19) sugere que é a genética que faz com que algumas pessoas não apresentem sintomas. O segredo está em uma variante genética chamada HLA-B*15:01.

Depois de analisar dados de quase 30 mil pessoas, os pesquisadores descobriram que quem carrega a variante genética HLA-B*15:01 tem duas vezes mais chances de não apresentar sintomas após a infecção por SARS-CoV-2, em comparação com quem não tem a variante.

O estudo ainda menciona que algumas pessoas contam com duas cópias da variante, o que reflete em uma probabilidade oito vezes maior de covid-19 assintomática. A teoria é que a HLA-B*15:01 protege o organismo contra os sintomas aproveitando a imunidade existente do corpo contra os vírus causadores de resfriado.

Continua após a publicidade

Do grupo de pessoas assintomáticas analisadas no estudo, 20% carregavam a variante do gene HLA-B*15:01, em comparação com 9% das pessoas que relataram sintomas da doença.

Para entender por que a variante HLA-B*15:01 pode ser protetora, a equipe estudou células T, um tipo de célula imune. A partir disso, os autores chegaram à conclusão de que a ausência de sintomas pode ser explicada por suas células serem preparadas para o vírus.

Covid-19: de casos assintomáticos a graves

Conforme aponta o Ministério da Saúde, a infecção pelo SARS-CoV-2 pode variar de casos assintomáticos e manifestações clínicas leves, até quadros moderados, graves e críticos, sendo necessária atenção especial aos sinais e sintomas.

Continua após a publicidade

"Embora a maioria das pessoas com covid-19 desenvolvam sintomas leves (40%) ou moderados (40%), aproximadamente 15% podem desenvolver sintomas graves que requerem suporte de oxigênio e, cerca de 5% podem apresentar a forma crítica da doença, com complicações como falência respiratória, sepse e choque séptico, tromboembolismo e/ou falência múltipla de órgãos, incluindo lesão hepática ou cardíaca aguda e requerem cuidados intensivos", aponta a Pasta.

O Ministério acrescenta que a covid-19 pode estar frequentemente associada a manifestações mentais e neurológicas, incluindo delírio ou encefalopatia, agitação, acidente vascular cerebral, meningoencefalite, olfato ou paladar prejudicados, ansiedade, depressão e distúrbios de sono. Em muitos casos, manifestações neurológicas foram relatadas mesmo em pacientes sem sintomas respiratórios.

Sintomas da covid-19

Continua após a publicidade

Em 2022, um estudo fez um mapa com os 20 principais sintomas da covid-19. A lista completa de sintomas da covid-19 e a porcentagem de pacientes que relataram é a seguinte:

  • Dor de garganta (58%)
  • Dor de cabeça (49%)
  • Nariz entupido (40%)
  • Tosse sem catarro (40%)
  • Corrimento nasal (40%)
  • Tosse com catarro (37%)
  • Voz rouca (35%)
  • Espirros (32%)
  • Fadiga (27%)
  • Dores/dores musculares (25%)
  • Tontura (18%)
  • Glândulas do pescoço inchadas (15%)
  • Dor nos olhos (14%)
  • Cheiro alterado (13%)
  • Aperto da dor no peito (13%)
  • Febre (13%)
  • Calafrios (12%)
  • Falta de ar (11%)
  • Dor de ouvido (11%)
  • Perda de olfato (10%)

O estudo em questão contou com dados de 17.500 pessoas que testaram positivo para a covid-19.

Fonte: Nature, PubMed Central, Ministério da Saúde