COVID-19: teste rápido com saliva está sendo desenvolvido em Minas Gerais

COVID-19: teste rápido com saliva está sendo desenvolvido em Minas Gerais

Por Fidel Forato | 15 de Abril de 2020 às 10h20
Reprodução

A testagem de uma população para o novo coronavírus (SARS-CoV-2) é uma das medidas mais eficientes para traçar, por exemplo, a real dimensão da COVID-19 e também definir políticas públicas mais eficientes para o combate da infecção. No entanto, um dos grandes desafios é a dificuldade do acesso a uma grande quantidade de testes, questão em que a Universidade Federal de Uberlândia (UFU) vem trabalhando.

O Laboratório de Nanobiotecnologia do Instituto de Biotecnologia (IBTec/UFU), coordenado pelo professor Luiz Ricardo Goulart Filho em Uberlândia, desenvolve dois protótipos de sensores para o diagnóstico do novo coronavírus através da saliva de um paciente. As tecnologias já devem estar disponíveis para a testagem de pacientes até maio deste ano, esperam os pesquisadores.

Nesse projeto da UFU, o seu principal diferencial é que ambos os testes não precisam de reagentes, ou seja, não dependem das substâncias necessárias para se fazer os exames convencionais do coronavírus e que estão em falta devido à altíssima demanda mundial.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Professor Luiz Goulart (à esquerda) recebe ministro Marcos Pontes (ao centro) para falar sobre novos testes da COVID-19 (Foto: Reprodução/ Alexandre Santos)

Para entender sobre os dois sistemas e a possível implementação no país, o Canaltech entrevistou, hoje (15), o professor Goulart, minutos antes do pesquisador conversar com o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes.

Como funcionam?

As plataformas tecnológicas para o enfrentamento da COVID-19 funcionam a partir de dois sistemas que se complementam. Nesse sentido, o teste biofotônico utiliza a luz infravermelha para a leitura de amostra da saliva de um paciente infectado, feita na nuvem e lida por um algoritmo.

Sobre o protótipo, Goulart explica como funciona esse sistema: “Um laser segmenta os componentes salivares, e a Inteligência Artificial (IA) identifica a presença do vírus ou não na saliva do paciente”.

Já para áreas onde não há disponível uma boa conexão com a internet ou ainda há a necessidade de um teste mais prático, há outra opção desenvolvida pelo grupo de pesquisadores da UFU: o sistema eletroquímico.

Nesse caso, a leitura da amostra salivar do paciente é feita a partir de correntes elétricas, realizadas diretamente por um sensor ligado a um smartphone. Para isso, o professor comenta: “é um sensor portátil baseado em smartphones, que já vem com a tecnologia embarcada. Não precisa acessar a web: basta estar com o pendrive, que tem o sistema, e o microchip”.

Nos dois exames, a partir da saliva, o profissional da saúde deve pingar uma gota da amostra nos aparelhos para a detecção do novo coronavírus, em até um minuto.

Mais funções

As duas tecnologias podem detectar outras doenças também, ainda mais porque são desenvolvidas desde 2016, em uma parceria público-privada com o laboratório Biogenetics. “Desenvolvemos as tecnologias para outras doenças infecciosas e crônico-degenerativas, e também para contaminações ambientais e de alimentos”, esclarece Goulart. Entretanto, desde a emergência da pandemia da COVID-19, o grupo direciona seus protótipos exclusivamente a doença.

Quanto ao sistema eletroquímico, “cada microchip é personalizado para uma doença específica. Nesse caso, este vai estar adequado para o diagnóstico da COVID-19, mas poderia estar apto para a tuberculose ou para a influenza”, explica o professor sobre o sistema aberto.

“Já utilizamos essa tecnologia [de testes através dos smartphones] desde 2010 dentro do laboratório. Então, resolvemos implementar como uma forma de trabalho com o surgimento da IA, que utilizamos há mais de três anos”, comenta a respeito dessa tecnologia que é muito mais barata e, por isso, mais viável. Já tecnologia biofotônica deve ser lançada nos próximos meses para a identificação de mais de 45 doenças.

Implementação

Na segunda-feira (13), o professor e coordenador da iniciativa realizou demonstrações dos testes à comitiva do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), durante visita ao Laboratório de Nanobiotecnologia. Entre os presentes, estava o ministro Marcos Pontes.

Durante o encontro, o ministro Pontes disse que ficou "muito satisfeito" com o que observou na UFU. "A possibilidade de termos testes que não usam reagentes vai ser um ganho para o país", ressaltou. Além disso, segundo o ministro, uma vez que essa tecnologia seja testada e aprovada, o próximo passo é trabalhar em parceria com o Ministério da Saúde para sua implementação em caráter nacional.

Para um plano de implementação com o Ministério, Goulart explica que é preciso “validar o protótipo final com mais de 1.000 amostras, registrar na Anvisa o protocolo todo e fazer as patentes para proteger os direitos”. Já em 20 dias, a previsão é que os dois produtos estejam prontos para o Ministério aprovar e o compartilhar, por sua vez, com o Ministério da Saúde.

“Vamos montar uma fábrica em Uberlândia para gerar os produtos que são necessários para usar o equipamento fotônico”, atualiza o professor sobre os planos, onde esses testes devem ser lançados, inicialmente, na cidade mineira e em outras regiões que fazem parte do sistema que colabora.

“São mais ou menos 20 pontos [para a testagem] que serão abertos [em um primeiro momento] e acredito que, se tudo der certo, vamos ter isso em maio, com 500 diagnósticos por dia em cada máquina”, conclui Goulart sobre o sistema inovador que deve custar ao poder público cerca de R$ 50 por teste.

A seguir, confira a live do MCTIC, onde o ministro Marcos Pontes explica sobre o funcionamento da tecnologia no minuto 36:

Fonte: Comunica UFU

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.