Cientistas desenvolvem lâmina de microscópio inteligente que detecta câncer

Cientistas desenvolvem lâmina de microscópio inteligente que detecta câncer

Por Nathan Vieira | Editado por Luciana Zaramela | 08 de Outubro de 2021 às 08h30
stockcentral/envato

Quando se faz a detecção um material biológico no microscópio moderno, todo um protocolo rigoroso precisa ser seguido. A amostra precisa ser coletada, preparada, seccionada e fixada com corantes. E em caso de doenças, o "tingimento" tecidual pode alterar as propriedades da amostra e levar a diagnósticos errados. Foi com isso em mente que cientistas da Universidade La Trobe, da Austrália, desenvolveram uma nova lâmina de vidro que pode ser mais certeira na detecção do câncer.

A equipe conseguiu proporcionar visualizações coloridas de células e estruturas biológicas quase invisíveis e quase sempre transparentes, sem a ajuda de corantes, como hematoxilina e eosina. Para fazer isso, os pesquisadores modificaram a superfície das lâminas convencionais de microscópio, permitindo traduzir mudanças muito pequenas relacionadas aos campos elétricos do material em contrastes de cores marcantes.

Inicialmente, os cientistas testaram a ferramenta, que ganhou o nome de NanoMslide, para diagnosticar o câncer de mama em estágio inicial. Os testes foram conduzidos em tecido de camundongo e humano, com a lâmina permitindo aos pesquisadores distinguir facilmente as células cancerígenas de tecido normal e saudável.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

(Imagem: Divulgação/La Trobe University)

Os cientistas imaginam que, com mais estudos, a técnica pode servir como uma nova alternativa. A expectiativa é permitir diagnósticos de câncer mais consistentes no futuro. “Achamos que poderia ser realmente útil no diagnóstico precoce do câncer de mama, mas também em outros tipos de câncer em que estamos apenas tentando coletar algumas células cancerígenas em um tecido complexo ou na amostra de sangue", afirmam os pesquisadores. O estudo foi publicado na revista Nature.

Fonte: La Trobe University via New Atlas

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.