Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Anvisa proíbe venda de álcool líquido 70% a partir de maio

Por| Editado por Luciana Zaramela | 04 de Abril de 2024 às 14h38

Link copiado!

Fidel Forato/Canaltech
Fidel Forato/Canaltech

Após decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a venda de álcool líquido 70% voltará a ser proibida em supermercados, hipermercados e farmácias de todo o Brasil. Oficialmente, a medida entrará em vigor em maio, daqui a pouco menos de 30 dias. A comercialização do álcool em gel continuará liberada, sem nenhuma restrição.

A relação entre a venda e a proibição do álcool 70% é bastante antiga, com idas e vindas. Em 2002, o produto etílico com teor 70% foi proibido pela primeira vez. Em 2020, com a pandemia da covid-19 e a emergência de boas práticas de limpeza para eliminar o coronavírus, a venda foi novamente autorizada, de forma temporária, pela Anvisa.

Como o momento mais agudo da crise de saúde pública provocada pela covid-19 já acabou, no ano passado, a Anvisa não irá prolongar a autorização que permita a venda do álcool líquido 70% para os usuários comuns. Então, a proibição volta a valer.

Continua após a publicidade

Por que proibir o álcool 70%?

Embora o álcool líquido 70% volte a ser proibido, o produto em gel segue liberado no Brasil. Ambos têm a mesma capacidade de limpeza, o que envolve a ação microbicida contra germes e patógenos.

No entanto, na versão em gel, o risco de acidentes domésticos é menor, considerando que a versão líquida é altamente inflamável e provoca acidentes com maior frequência. Ainda mais quando as garrafas de um litro, as mais comuns, são armazenadas próximas a fontes de calor, como fogões e churrasqueiras, além dos isqueiros.

Em nota, o Corpo de Bombeiros Militar de Mato Grosso (Cbmmt) destaca que tanto a versão líquida quanto a em gel são potencialmente combustíveis. Entretanto, o modo como queimam é diferente. A versão em gel queima apenas na superfície, já a líquida tem potencial explosivo — novamente, os riscos são maiores.

Outro ponto que vale ser mencionado é que a versão líquida pode, mais facilmente, ser ingerida em casos de desatenção com crianças. Além disso, o produto pode derramar e se espalhar, provocando acidentes maiores, incluindo queimaduras de pele, caso sejam expostos ao fogo.

Fonte: Agência Brasil e Cbmmt