7% da população global sofre de enxaqueca, segundo estudo

7% da população global sofre de enxaqueca, segundo estudo

Por Nathan Vieira | Editado por Luciana Zaramela | 12 de Abril de 2022 às 13h30
twinsterphoto/Envato

Cerca de 7% da população mundial sofre de enxaqueca, segundo um estudo publicado na revista científica The Journal of Headache and Pain. Os pesquisadores conduziram uma análise de 357 artigos publicados sobre o tema, entre 1961 e o final de 2020, e perceberam que a condição se tornou muito mais comum desde 2007.

A revisão de artigos permitiu aos cientistas a conclusão de que mais da metade da população mundial (52%) teve algum tipo de dor de cabeça durante o ano passado. A revisão também destacou que a prevalência de cefaleia (a dor em qualquer parte da cabeça, incluindo o couro cabeludo, pescoço superior, face e o interior da cabeça) afeta 17% das mulheres que sofrem de enxaqueca, em comparação com 8,6% dos homens.

A equipe chegou a afirmar que, apesar de muitas dores no corpo aumentarem conforme um indivíduo se torna idoso, a dor de cabeça é mais presente durante os anos mais ativos. O artigo menciona, ainda, que os distúrbios de dor de cabeça podem estar relacionados a vários fatores, desde a genética até problemas como estresse e uso excessivo de medicamentos.

Enxaqueca atinge 7% da população global (Imagem: tataks/envato)

As dores de cabeça tensionais são o tipo mais comum entre adultos e adolescentes, e geralmente não apresentam outros sintomas, aparecendo e desaparecendo com o tempo. Para esse tipo, existem até mesmo algumas dicas para aliviar sem o auxílio de remédios.

Enquanto isso, a enxaqueca costuma ser descrita como uma dor latejante, e pode durar de quatro horas a três dias, de uma a quatro vezes por mês. Junto com a dor, as pessoas apresentam outros sintomas, como sensibilidade à luz, ruídos ou cheiros, náusea, vômito e até perda de apetite.

A mais preocupante, conforme aponta o artigo, é a dor de cabeça crônica, que dura aproximadamente 15 dias por mês, surgindo com frequência ao longo de três meses.

Fonte: The Journal of Headache and Pain, WebMD

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.