10 mentiras que você já escutou sobre o funcionamento do seu corpo

10 mentiras que você já escutou sobre o funcionamento do seu corpo

Por Fidel Forato | Editado por Luciana Zaramela | 01 de Julho de 2022 às 09h00
Westend61/Envato

O corpo humano preserva ainda muitos mistérios e algumas questões sobre o seu funcionamento estão longe de um consenso. No entanto, a ciência já desmentiu algumas histórias que foram propagadas por anos e repetidas infinitas vezes, como o fato da espécie humana usar apenas 10% da capacidade do cérebro ou ainda aquela história que temos 10 vezes mais bactérias que células no nosso organismo.

Inclusive, parte significativa dessas ideias nasceu a partir de estudos científicos limitados ou com evidências de baixo valor, mas se popularizaram por inúmeros motivos e, até hoje, são propagadas. O mito da desproporção entre bactérias e células surgiu em 1972, quando o biólogo Thomas Luckey teria usado amostras de fezes para chegar a esta conclusão. No caso, a amostra não equivalia à totalidade e complexidade do organismo.

Muitas mentiras e desinformação são compartilhadas sobre o funcionamento do corpo humano (Imagem: Twenty20photos/Envato Elements)

Durante os anos, inúmeras confusões científicas, crendices populares e desinformação se misturaram na criação de mitos sobre o corpo humano. A seguir, confira 10 destas mentiras que, muito provavelmente, você já escutou:

1. Apenas 10% do cérebro é usado

Para muita gente, a ideia de que usamos apenas 10% do nosso cérebro ainda soa como verdade, mas não deveria ser. Para a revista Scientific American, o neurologista Barry Gordon explica que a maior parte do cérebro está "ativo quase o tempo todo". Mesmo enquanto dormimos, o córtex frontal e as áreas somatossensoriais ainda operam, embora, logicamente, poderiam estar "desligadas" por falta de uso. Se 90% do órgão fosse retirado, não sobreviveríamos.

2. É preciso tomar 2 litros de água

Não existe uma medida ideal e exata de água para todos os seres humanos, já que varia conforme nossas atividades (Imagem: Prostock-studio/Envato Elements)

Beber água e se manter hidratado são fundamentais para o funcionamento do seu organismo, mas não existe uma medida universal, como a história dos dois litros. Isso porque, no dia em que uma pessoa pratica exercícios, a tendência é que mais água precise ser consumida, quando se compara com o consumo daquele dia em que trabalhou sentada e nem caminhou. Como regra, a sede deve orientar o consumo diário do líquido.

3. Estalar os dedos causa artrite

A ideia de que estalar os dedos causaria artrite nasceu quando não se compreendia os mecanismos desse processo. “O 'crack' é simplesmente o estouro de bolhas do líquido que lubrifica as mãos, conhecido como líquido sinovial", explica Kristen Scheney, do grupo CCS Medical, para a Med Express. Quando o movimento é feito com moderação, o ato não traumatizará as articulações e nem engrossará os dedos, como muitos pensam.

4. Friagem causa gripe

Sozinho, o frio não pode causar uma gripe e nenhuma outra infecção (Imagem: Choreograph/Envato)

Eternizada pelas famílias, é preciso afirmar que a friagem não pode causar uma gripe ou um resfriado. Isso é completamente impossível, já que a única maneira de adoecer, nestes casos, deve ser por infecções causadas por um vírus, como o da influenza ou os adenovírus. Por si só, o frio não é um agente infeccioso. No entanto, uma pessoa com muito frio pode correr o risco de hipotermia — uma condição que pode matar em casos extremos.

5. Corpo tem 10x mais bactérias que células

Aqui, já começamos a explicar a queda do mito de que o número de bactérias é muito maior que o de células no corpo humano. Em homem adulto, de 70 kg e 1,7 m, existem 30 trilhões de células humanas e 39 trilhões de bactérias — só que este valor pode variar muito, muito mesmo, dependendo da dieta —, segundo estudo publicado na plataforma BioRxiv. Inclusive, "os números são semelhantes o suficiente para que cada evento de defecação possa mudar a proporção para favorecer as células humanas sobre as bactérias", afirmam os cientistas do Instituto Weizmann de Ciência, em Israel.

6. Febre é algo ruim

A febre é uma forma de defesa do nosso organismo e nem sempre precisa ser controlada (Imagem: DC_Studio/Envato Elements)

"A febre é um mecanismo de proteção e um sinal de que o sistema imunológico do corpo está ativado. A maioria dos casos de febres é boa para crianças doentes e ajuda o corpo a combater infecções", explica o Hospital Infantil do Texas, em nota. O risco só começa a aparecer, de fato, quando a temperatura está acima de 39 °C ou 39,4 °C. E o tratamento é somente necessário em caso de desconforto para o paciente.

7. Acordar um sonâmbulo pode matá-lo

"Você pode assustar os sonâmbulos, e eles podem ficar muito desorientados, quando [alguém] os acorda. Podem ter reações violentas ou confusas, mas nunca ouvi falar de um caso documentado de alguém que morreu ao ser acordado", afirma o médico Michael Salemi, do Centro de Distúrbios do Sono da Califórnia. Do outro lado, deixar uma pessoa inconsciente solta na cozinha pode causar acidentes domésticos.

8. Todas as células do corpo são trocadas a cada 7 anos

Alguns neurônios podem resistir durante toda a vida de uma pessoa (Imagem: iLexx/Envato)

Parece tentadora a ideia de que o corpo se renova por completo a cada sete anos, mas a realidade não é esta. Em alguns sistemas, como as células da pele e do intestino, este processo é natural e tende a ocorrer em intervalos regulares de alguns meses. No entanto, o cérebro tem outro comportamento e a maioria dos neurônios permanece a mesma por toda a vida.

9. Unhas e cabelos ainda crescem após a morte

Se alguma vez já assistiu um vídeo de exumação de um corpo, você deve ter notado o tamanho das unhas e do cabelo. A ideia que se tem é que eles continuaram a crescer após a morte, mas isso é fisiologicamente impossível. O crescimento só poderia acontecer se as células continuassem a se dividir e, para isso, precisariam ser alimentadas por sangue oxigenado fresco. A impressão do crescimento até pode ser verdadeira, mas ela se deve ao fato da pele se contrair e corromper no processo de decomposição, enquanto a queratina — matéria dos fios e das unhas — se preserva por mais tempo, causando a ilusão de que cabelo e unha cresceram e relação ao tamanho que estavam no momento da morte.

10. Todo colesterol é perigoso

Nem todo tipo de colesterol é ruim para o corpo e pode causar danos (Imagem: Ktsimage/Envato)

Nem todo colesterol é ruim. Na verdade, "alguns tipos de colesterol são essenciais para uma boa saúde. Seu corpo precisa de colesterol para realizar trabalhos importantes, como produzir hormônios e construir células", explica o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), nos EUA. Este é o caso do HDL, por exemplo, que em concentrações ideais pode diminuir o risco de doenças cardíacas e derrames. Para muitos, isso pode ser um contrassenso, mas não é.

Além destas 10 mentiras que já te contaram sobre o seu corpo, muito provavelmente, já escutou pelo menos outras dezenas. Nesse sentido, é sempre importante checar as informações que chegam até você, especialmente se for compartilhá-las com outras pessoas.

Ainda vale mencionar que a ciência é um eterno prédio em construção, feito de forma coletiva. Então, algo que foi considerado verdade em uma época pode ser revisto no futuro, a partir de novas evidências científicas. Afinal, as tecnologias estão em constante evolução e nos permitem enxergar o nosso organismo como nunca antes pudemos.

Fonte: Nature, BioRxiv, Hospital Infantil do Texas, CDC, Med Express, Daily Mail, Scientific American (1) e (2)    

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.