Instagram anuncia lojas e mais opções de monetização para influenciadores

Por Alveni Lisboa | Editado por Douglas Ciriaco | 28 de Abril de 2021 às 12h05
Cristian Dina/Pexels

Não é de hoje que os chamados influenciadores digitais possuem forte apelo no Instagram. Foram eles que ajudaram a tornar a rede social tão popular, o que atraiu as principais empresas do mundo a desbravar este mundo. A companhia sabe muito bem disso, tanto que tem investido em ferramentas e recursos para este mercado.

Agora, a rede social das fotos pretende entregar um conjunto de ferramentas para ajudar os digital influencers a ganharem dinheiro com o conteúdo produzido. Mark Zuckerberg anunciou os próximos recursos durante uma transmissão ao vivo com o chefe do Instagram, Adam Mosseri.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Dentre as novidades estaria uma loja, o comércio de afiliados e uma espécie de “mercado de conteúdo”. As Creator Shops seriam uma extensão dos recursos de compras existentes, o que permite a venda direta de produtos. Isso daria a possibilidade para comercializar produtos físicos, como cosméticos ou acessórios, ou digitais, como e-books ou ingressos virtuais.

Promoção baseada em vendas

Zuckerberg também ressaltou que a empresa quer reforçar algo que já ocorre de forma externa: o pagamento pela promoção de produtos e serviços. Em vez de negociar por cada post patrocinado, que não tem garantia de retorno, as empresas poderiam focar na conversão direta do produtor de conteúdo.

Isso possibilitaria destinar parte da renda apurada pela marca em razão das vendas geradas por aquele influenciador — funcionaria de forma similar aos afiliados, bastante popular em sites de comércio eletrônico e de cursos online. Com isso, cria-se uma renda variável para o criador de conteúdo que também beneficia o investidor, que só paga pelo que for comercializado.

O Reels, por exemplo, seria uma forma de incentivar a venda de produtos nas lojas dos influenciadores (Imagem: Divulgação/Instagram)

O chamado “mercado de conteúdo de marca” talvez seja a novidade menos clara até o momento. Segundo Zuckerberg, a ideia seria uma ferramenta para permitir que talentos emergentes monetizem o conteúdo, mas não foi revelado como isso ocorreria. O dono do Facebook apenas disse que o objetivo não é lucrar com isso e planeja oferecer condições muito favoráveis aos criadores.

Ao que tudo indica, deve ser algo como um highlight, uma forma de destacar perfis ainda pouco conhecidos, mas que estão em crescimento. No entanto, será necessário aguardar mais detalhes para tirar qualquer conclusão.

Mudanças na arrecadação de recursos

As novas ferramentas ainda estão em desenvolvimento, mas podem mudar drasticamente a forma como os influenciadores ganham dinheiro com a plataforma. Quem possui alto poder de conversão vai acabar se sobressaindo diante de quem apenas ostenta números elevados de seguidores. Na prática, todos os influencers vão precisar se dedicar ainda mais, pois só vão receber sobre o que efetivamente venderem.

Muitas das principais estrelas do Instagram já administram lojas online e fazem parcerias com marcas. Por enquanto, tudo isso ocorre fora da plataforma e com grandes empresas, o que praticamente inviabiliza os ganhos dos chamados nano influenciadores. Com as novas possibilidades, estes criadores em ascensão podem conseguir arrecadar algum dinheiro enquanto constroem a escada para o sucesso.

É possível marcar posts que são parceria paga, mas a negociação ocorre fora da plataforma (Imagem: Reprodução/Instagram)

Por outro lado, as ferramentas podem centralizar a negociação no Instagram, o que daria mais controle sobre o ecossistema de criadores. Além disso, é uma forma de fortalecer a plataforma diante dos concorrentes, fazendo com que os perfis mais bombados dediquem muito mais tempo ao Insta — algo que tem sido compartilhado com o TikTok e similares.

Também pode vir a se tornar uma fonte extra de renda para a rede social, caso venha a cobrar uma taxa de transação. Por enquanto, parece que não haverá nenhum tipo de custo, mas não se pode descartar tal medida se as novas ferramentas derem certo.

O que achou das novas medidas propostas pelo Instagram? Comente e deixe a sua opinião.

Fonte: Engadget

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.